Arquivos

Posts Tagged ‘Fiori Gigliotti’

Memória do Plantão revive Brasil x Espanha de 1962 com Fiori Gigliotti

Neste domingo, o programa Memória do Plantão (12h30), da Rádio Jovem Pan vai reviver Brasil 2 x 1 Espanha na Copa do Chile com a narração de Fiori Gigliotti pela então Rádio Panameircana, reportagens de Renato Silva e comentários de Leonidas da Silva. Amarildo, que entrou no lugar do contundido Pelé, fez os dois gols.

Ouça em http://jovempan.uol.com.br/

jovempan_am

Ouça o quadro do blog Radioamantes na web rádio Show Time

08/06/2013 1 comentário

Ouça o quadro do blog Radioamantes na web rádio Showtime (http://www.showtimeradio.com.br/). Relembramos os sete anos sem Fiori Gigliotti, falamos do suposto trote do qual o cantor Lobão foi vítima e cujo áudio não apareceu até hoje e sobre a questão dos repórteres de rádio que, em vez de participar das entrevistas coletivas fazendo perguntas, se preocupam mais em tentar fazer seus microfones aparecem nas transmissões de televisão alheias. Apresentação de João Alkmin e Flavio Ashcar e participação de Rodney Brocanelli. O programa vai ao ar todos os sábados, a partir das 08h e conta ainda com a participação de vários outros colunistas. A participação do blog Radioamantes começa as 09h.

 

 

crbst_SHOWTIME2d

Vicente Leporace no Cantinho da Saudade

16/04/2013 2 comentários

Por Rodney Brocanelli

O Edu Cesar, do Papo de Bola, informa que nesta data, há 35 anos, morria Vicente Leporace, apresentador do histórico programa “O Trabuco” da Rádio Bandeirantes. Nele, Leporace comentava as noticias do dia, tarefa difícil naqueles tempos pós-Revolução de 1964, golpe militar ou qualquer outro nome que se queira dar para aqueles eventos. Não raro, o apresentador era chamado pelas autoridades da época para prestar esclarecimentos sobre suas opiniões pelo rádio.

Mas eu queria mesmo era aproveitar para contar um momento particular. Uma das minhas memórias de infância é justamente relacionada à morte de Vicente Leporace. Em 1978, eu tinha 6 anos. Naquela época já estava acostumado a ouvir por tabela a programação matinal da Bandeirantes, sendo preparado para ir à escola. Aquele 16 de abril tinha caído em um domingo. Final de tarde, sem ter muito o que fazer, liguei o rádio relógio (uma novidade para a época). O rádio estava sintonizado na Bandeirantes. Toca o característico quinto sinal. Depois, um locutor (o qual infelizmente não lembro quem foi) anuncia com voz grave: nota de falecimento. Começava mais ou menos assim: “faleceu nesta capital Vicente Leporace…”. Assustado, corri até onde estava minha mãe e disse a ela o que tinha acabado de ouvir no rádio. Ela não acreditou em mim, e até levei uma bronca. Achou que fosse uma traquinagem infantil de tremendo mau gosto. Em seguida, fiquei com ela e passamos a assistir à televisão. No meio do Fantástico, da Rede Globo, o apresentador Sergio Chapelin leu uma nota a respeito da morte de Leporace. Minha mãe tomou um susto e se deu conta de que eu tinha falado a verdade. Na segunda-feira, a Bandeirantes reapresentou o último Trabuco comandado por Leporace, no sábado anterior a sua morte. Na terça, estreava o Jornal Gente, que está no ar até hoje.

E o Edu Cesar foi muito feliz ao recuperar o Cantinho da Saudade, feito por Fiori Gigliotti em homenagem ao amigo e colega de emissora. Talvez um dos seus programas mais inspirados. Ouça no player abaixo.

vicenteleporace

Os sons de 1977

Por Rodney Brocanelli

Todo 13 de outubro é dia de relembrar o título paulista de 1977 vencido pelo Corinthians. Para o torcedor, este dia tem um significado importante, pois se trata do fim de um longo jejum que vinha desde 1954 (a história é conhecida). A partir dessa data, o Timão não parou mais de colecionar conquistas. Se hoje, o time do povo está às portas da disputa do Mundial de Clubes da Fifa, é porque Basílio pegou um rebote e acertou o gol, há 35 anos.

O Radioamantes traz de volta até você os registros que o rádio fez daquele grande momento. Começamos com Fiori Gigliotti, então na Rádio Bandeirantes.

Abaixo, um registro mais raro. José Italiano, então na Rádio Gazeta (SP), narrou e vibrou com o gol de seu time do coração. Geraldo Blota, outro corinthiano, era o repórter-meta da ocasião.

José Silvério estava entrando numa gelada. Sua missão naquela noite era complicada: substituir Osmar Santos, como narrador titular da Jovem Pan. Osmar estava se transferindo para a Rádio Globo. Com o gol de Basílio, Silvério passou pelo seu batismo de fogo.

Por sua vez, Osmar Santos começava uma nova fase em sua carreira. A fase de maior sucesso, pela Globo. O começo não foi fácil. Naquele dia 13, ele acordou com problemas na garganta. Mas graças ao seu talento, poucos perceberam a dificuldade. Oswaldo Maciel narrou alguns minutos daquele jogos. Mas na hora do grande momento, Osmar retomou o microfone e também entrou para a história.

(Este post é uma homenagem a Marco Ribeiro, apresentador do programa Rádio Base Urgente, da Rádio USP, e corinthiano. Ele tem um poster do Basílio na parede de seu quarto).

5 de julho de 1982. Há 30 anos, Brasil e Itália faziam uma das mais eletrizantes partidas da história das Copas

03/07/2012 3 comentários

Por Rodney Brocanelli

O dia 5 de julho marcou uma das datas mais tristes na história da seleção brasileira de futebol. Jogando no estádio Sarriá, em Barcelona, os comandados de Telê Santana perdiam para a Itália pelo placar de 3 a 2 e davam adeus à Copa que no ano de 1982 era disputada na Espanha. Mesmo com as conquistas de 1994 e 2002, torcedores e jornalistas se perguntam até hoje sobre o que deu errado naquele dia. Bastava apenas um empate para que o Brasil chegasse às semifinais. Mas a Squadra Azurra apareceu pelo caminho. Além de adiar o sonho da conquista do título mundial, aquele resultado serviu para sepultar de vez a prática do futebol arte. Desde então, tivemos apenas alguns lampejos que apareciam de forma individual, graças ao talento de Romário e Ronaldo, cada um em sua época.

O blog Radioamantes leva você de volta ao dia 5 de julho de 1982. A nossa máquina do tempo é o rádio.

O quinto sinal da Rádio Bandeirantes marcava pontulamente 12h15, 16h15, horário local. Fiori Gigliotti anuncia o início da partida.

Para espanto geral, a Itáia saia na frente, logo aos 4 minutos de partida. Defesa brasileira vacilou. Paulo Rossi marcava, de cabeça. José Silvério estava na Jovem Pan.

A resposta brasileira não tardou. Sócrates recebeu um belo lançamento de Zico e avançou até entrar na área. O goleiro Dino Zoff tentou fechar o ângulo. Mas o Doutor, com o sangue frio que lhe era pecuilar, mandou para o gol. Osmar Santos narrou esse lance na Rádio Globo.

Mas Paulo Rossi se aproveitava mais uma vez de uma falha da defesa brasileira para marcar o segundo gol da Itália. O lance pegou muita gente desprevinida. José Silvério narrou esse lance na Jovem Pan.

No segundo tempo, o Brasil veio com tudo para tentar ao menos o empate. Falcão, na época o Rei de Roma, mandou um belo chute de média distância. E um detalhe que a televisão não mostrou: Cerezo, um dos responsáveis pelo lance que originou o segundo gol da Itália, chorou de emoção. José Silvério observou bem esse detalhe na Pan.

Mas aquela não era a tarde do Brasil. Em um escanteio aparentemente inofensivo, a Itália chegaria ao seu terceiro gol. Mais uma vez, Paulo Rossi. Flávio Araújo, então na Rádio Gazeta (SP) não escondeu a decepção.

Na Rádio Nacional, o garotinho ligeiro José Carlos Araújo ficou de queixo caído com o gol de Rossi.

O Brasil quase conseguiu o empate em uma cabeçada do zagueiro Oscar. O goleiro Dino Zoff operou um verdadeiro milagre. José Carlos Araújo, na Rádio Nacional, viu essa bola no gol.

Não teve jeito para o Brasil. O árbitro israelense (o Wikipedia diz que ele tem também nacionalidade romena) Abraham Klein apitou o fim de jogo. A perplexidade tomava conta da torcida brasileira. Fiori Gigliotti traduzia bem esse sentimento na Rádio Bandeirantes.

Passado o impacto da derrota, nada melhor que uma avaliação fria para se concluir em que a seleção brasileira errou. Eis a palavra de João Saldanha, então na Rádio Tupi. A metáfora do macaquinho é imapgável.

Guarani, campeão brasileiro de 1978. Narração de Fiori Gigliotti

13/08/2011 4 comentários

Por Rodney Brocanelli

Neste sábado, o Guarani comemora o 33º aniversário de seu primeiro (e único até aqui) título de campeão brasileiro. Vamos relembrar a narração de Fiori Gigliotti, na Rádio Bandeirantes, para o gol de Careca. Reportagens de Roberto Silva, o Olho Vivo. Ouça no player abaixo.

Fiori Gigliotti no nosso cantinho de saudade

08/06/2010 12 comentários

Por Rodney Brocanelli

Mais um ano sem Fiori Gigliotti. A melhor maneira de se falar dele é lembrar de algumas de suas irradiações.

Decisão do campeonato brasileiro de 1976. Na voz de Fiori, o primeiro gol do Intenacional, marcado por Dario, o Dadá Maravilha

 

No campeonato brasileiro de 1979, o Palmeiras conseguiu uma excelente vitória sobre o Flamengo por 4 a 1, classificando-se assim para as semi-finais daquela competição. Fiori estava no Maracanã. No player abaixo, é possível ouvir a narração do primeiro gol, marcado por Jorge Mendonça.

 

O radialista André York, da Rádio Banda B, de Curitiba, levou ao ar no seu programa Arremate Final uma entrevista de Fiori, concedida a estudantes de rádio e televisão. Acompanhe na sequência:

Parte 1

Parte 2

 

Detalhe: ele se diz torcedor do Flamengo. Há controvérsias

 

E abaixo uma das marcas registradas de Fiori Gigliotti: o Cantinho de Saudade. Nesse registro, ele homenageia Vicente Leporace, que havia morrido em abril de 1978.


 

CategoriasMemória Tags:
%d blogueiros gostam disto: