Arquivos

Posts Tagged ‘Rádio Tupi’

Rádio Capital confirma parceria com Rádio Tupi (RJ) na Copa das Confederações

10/06/2013 1 comentário

Por Rodney Brocanelli

 

A sempre competente assessoria de imprensa da Rádio Capital acaba de divulgar o planejamento da emissora na cobertura da Copa das Confederações. Na verdade, confirmou-se o que foi divulgado no começo do ano: a parceria com a Rádio Tupi (RJ).  A Capital irá reproduzir o som da emissora carioca nos jogos mais importantes. Os integrantes da sua equipe esportiva irão abrir e encerrar as transmissões. O comunicado informa que a programação normal não será afetada. Ou seja, Eli Correa e companhia não perderá seu tradicional espaço.

Uma pena que o acordo com a Tupi não tenha permitido a mistura de profissionais nas transmissões. Talvez a experiência mal sucedida da Rádio Globo, que transmitiu durante um bom tempo sua programação em rede, com uma das cabeças na cidade de São Paulo, tenha assustado seus diretores.

Talvez se a emissora não fosse a Tupi, seria possível usar o mesmo expediente usado pela Rádio Clube Paranaense, de Curitiba, que se uniu à Rádio Gazeta, de São Paulo, na Copa da Espanha de 1982 . Graças à essa parceria, foi possível ouvir na mesma transmissão, narradores como Lombardi Junior e Flávio Araújo.  Essa rede deu bons resultados na ocasião para ambas as emissoras.

Embora seja do conhecimento geral que os preços para os direitos de transmissão foram baratos, lamenta-se que a Rádio Capital não tenha acreditado no seu departamento esportivos que, volta e meia, rende bons resultados nas pesquisas de audiência e que são comemorados por sua direção.

 

Logo da Rdio Capital

 

 

Rádio Tupi não vai mais tocar música ruim

Wagner Mendes

Por Marcos Lauro

A declaração polêmica do título deste post é de Wagner Mendes, que depois de seis anos retoma a direção musical da emissora popular de São Paulo.

Por “música ruim”, Wagner entende que são as músicas com letras apelativas, que incentivam a bebedeira ou tratam a mulher de forma machista. “Não quero que a programação tenha somente músicas de amor, mas acho que as que dizem que beber é sempre bom e pegar todas as mulheres está certo não devem ser prioridade”, disse o diretor ao blog Música Sertaneja, do Estadão.

Wagner aproveita para citar quais artistas, na sua opinião, fazem músicas boas: Paula Fernandes, Cristiano Araújo, Marcos e Belutti, Jorge e Mateus e Michel Teló.

A lista causa uma certa curiosidade, já que “ai se eu te pego”, do Teló, não é um dos versos menos machistas do universo musical.

Wagner também pretende aumentar o período de repetição de uma música na programação para três horas – hoje é possível ouvir uma mesma música na Tupi num intervalo inferior a esse.

As medidas devem melhorar a colocação da Tupi no IBOPE. A rádio ocupou a primeira colocação por bastante tempo e hoje está em terceiro.

Para ler a matéria completa com Wagner Mendes, clique aqui.

Há 34 anos…

19/09/2012 1 comentário

Por Rodney Brocanelli

Vasculhando alguns arquvios de aúdio aqui no meu notebook, descobri uma incrível coincidência. Tenho dois registros da antiga Super Rádio Tupi, de São Paulo, que operava nos 1040Khz. Até já os divulguei aqui no Radioamantes, mas não tinha me atentado para a data: 19-09-1978. Há exatos 34 anos. O primeiro é uma edição do boletim noticioso O Mundo Pela Tupi, com interpretação do saudoso Cyro Cesar Silvério.

O outro é um comentário de Mario Moraes, brilhante profissional da crônica esportiva, falando sobre os assuntos do futebol da época.

Nunca é demais lembrar que os áudios fazem parte do acervo de Onofre Favotto e que estáo disponíveis na Internet.

Anunciada oficialmente, detalhes da dobradinha Capital-Tupi na Copa só saem em 2013

28/08/2012 3 comentários

Por Rodney Brocanelli

A Rádio Capital (SP) anunciou de forma oficial a parceria com a Rádio Tupi (RJ) para a transmissão da Copa das Confederações de 2013 e da Copa do Mundo de 2014 que acontecerão em solo nacional. Tal acordo foi possível graças ao regulamento da Fifa, que permite que esse tipo de associação.

O blog Radioamantes questionou a assessoria de imprensa da Rádio Capital sobre como irá funcionar na prática a dobradinha Capital-Tupi.

Não está claro se haverá mesca de profissionais das duas emissoras em transmissões de jogos do Brasil ou então apenas a reprodução do sinal da Tupi carioca.

Outra dúvida é se a paceria funcionaria também em jogos do campeonato brasileiro, com integrantes da equipe da Tupi participando de transmissões de jogos dos paulistas no Rio e de profissionais da Capital se engajando nas transmissões de partidas dos cariocas em São Paulo.

Por email, a assessoria de imprensa da Rádio Capital informou que os detalhes para a execução da dobradinha Capital-Tupi ainda estão em estudos e serão oficialmente anunicados no começo de 2013. A conferir.

O Mundo pela Tupi

12/05/2012 3 comentários

Por Rodney Brocanelli

Em setembro de 1978, a Rádio Tupi de São Paulo, que operava na época em 1040Khz, levava ao ar um jornalístico chamado O Mundo Pela Tupi. No player abaixo, trecho de uma edição, com a locução do grande Ciro Cesar. O aúdio foi extraído dos arquivos de Onofre Favotto, que estão disponíveis na Internet.

José Carlos Araújo deixa Rádio Globo e se transfere para a Rádio Bradesco Esportes

26/04/2012 5 comentários

Por Rodney Brocanelli

A melhor cobertura da grande mexida no rádio esportivo do Rio de Janeiro está no blog do Anderson Cheni. Leia abaixo uma entrevista exclusiva que ele fez com José Carlos Araújo, na qual o narrador confirmou o negócio fechado.

http://cheninocampo.blogspot.com.br/2012/04/agora-e-oficial-jose-carlos-araujo.html

E quem vai perder nessa história toda é a Rádio Tupi. Um de seus principais astros, Luis Penido, aceitou o convite da Globo.

http://cheninocampo.blogspot.com.br/2012/04/agora-e-oficial-jose-carlos-araujo.html

*

Em 1984, o rádio carioca viveu agitação semelhante quando o próprio José Carlos Araújo deixou a Rádio Nacional e se transferiu para a Globo, emissora na qual iniciou sua carreira. Sua estreia na ocasião esteve cercada de expectativa e Osmar Santos, de São Paulo, mandou uma saudação.

Quem saiu para dar lugar ao Garotinho, como é conhecido, foi Jorge Curi. Ele, depois, acertou com a Rádio Tupi, onde ficou até morrer, em dezembro de 1985.

ATUALIZAÇÃO (13.05 – 18H45) No link abaixo, assista a substituição de Garotinho por Luiz Penido na Rádio Globo

http://radioamantes.wordpress.com/2012/05/13/suderj-informa-troca-na-radio-globo-sai-garotinho-entre-luis-penido/

ATUALIZAÇÃO (24.05 – 11H30) Ouça um dos gols narrados por José Carlos Araújo na Band News:

http://radioamantes.wordpress.com/2012/05/24/jose-carlos-araujo-estreia-no-grupo-bandeirantes-pela-band-news-fm/

Chico Anysio e o rádio

24/03/2012 1 comentário

Por Rodney Brocanelli (com a colaboração da equipe Webfutmundi)

Chico Anysio, morto nesta sexta-feira aos 80 anos, começou sua carreira no rádio. É célebre a história de que ele sempre ficou na segunda colocação em testes para locutor, derrotado por Silvio Santos. Mesmo assim, ele conseguiu seu espaço no veículo. Começou na Rádio Guanabara (atual Bandeirantes), nos anos 40, e lá desempenhou várias funções: ator, redator, locutor e comentarista esportivo. Mudou-se para a Rádio Mayrink Veiga algum tempo depois e nessa emissora criou um de seus tipos mais famosos: o professor Raymundo.

Como era de se esperar, Chico migrou para a televisão, veículo no qual ele conquistou o sucesso nacional e admiração dos fãs. Contudo, ele nunca deixou o rádio de lado. Um de seus personagens era uma verdadeira homenagem à estética e as figuras que fizeram este veículo ser o que é: Roberval Taylor.

Abaixo, Roberval dá as últimas do esporte.

No programa de Roberval não poderia faltar o horóscopo.

*

Mas teve gente que não gostou muito desse personagem. O grande Helio Ribeiro achou que Roberval Taylor era uma paródia não muito lisonjeira ao seu estilo de fazer rádio. Quem conta mais detalhes é Sérgio Mattar, em texto extraído de seu blog.

Um certo dia, nos corredores da Rádio Bandeirantes de São Paulo, um acontecimento singular, foi a visita que Chico Anysio de Paula fez à Hélio Ribeiro, no estúdio A, durante o programa de maior audiência da rádio brasileira: “O Poder da Mensagem“.

Ribeiro com seus cabelos ondulados comprimia-os com enormes fones de ouvido plugados em um grande rádio portátil instalado ao lado de seu microfone. Sua voz personalíssima, ecoava naquele momento sobre a voz melodiosa de Frank Sinatra, versando nada mais do que “All the way”.

Os velhos “olhos azuis” como era tratado o bom e velho Frank, irmanava-se ao dueto maravilhoso, na tradução simultânea do talento e criatividade de Hélio Ribeiro.

Neste exato momento adentra ao estúdio o genial Chico Anysio que, apesar de não conhecer Hélio pessoalmente se pôs ao seu lado, e sem nenhum constrangimento passou a imitá-lo. Tal e qual.

Terminada a música, com tradução do Hélio Ribeiro, houve a apresentação recíproca entre Chico e Hélio e aí, rolou um papo fenomenal intercalado por outras música e traduções, além, do “filosofar poético” do “O Poder da Mensagem”.

Após as despedidas Chico retorna ao Rio e a “vidinha” segue na sua normalidade.

A Rede Globo lança um novo programa no ar com forte alarido e participação de grande elenco do humorismo nacional… “Chico City”.

Programa idealizado por Chico Anysio colocava suas personagens em atividade plena. Seus coadjuvantes faziam a escada para Chico deitar e rolar.

De repente, um fato novo, uma personagem nova, uma voz nova na cidade de Chico, era um Chico diferente, “aquele” Chico do estúdio do “Poder da Mensagem”.

Surgia “Roberval Taylor” ou a caricatura de Hélio Ribeiro elevada a potência “n”.

Foi uma balbúrdia nacional. O meio artístico entrou em ebulição. Hélio Ribeiro que entendeu “Roberval Taylor” como uma ofensa ao seu trabalho e desempenho, disparou pelas ondas médias da Rádio Bandeirantes uma ofensiva à Chico Anysio.

Evidentemente, Chico que, quis homenageá-lo ao criar “Roberval Taylor”, se pôs a satirizar mais ainda a sua criação.

Por um tempo o “mal-estar” entre ambos pairava. Um dia, por iniciativa de amigos comuns de Chico e Hélio, foi improvisado um encontro no mesmo estúdio A, no mesmo horário do “Poder da Mensagem”, para a desfeita daquele tremendo mal entendido.

De fato, apesar de, temperamentos difíceis e personalidades fortes, tanto Hélio como Chico deram grandes gargalhadas e efusivos abraços, colocando um ponto final naquele equívoco que pairava na genialidade daquelas cabeças.

Chico, com o concentimento do Hélio Ribeiro, continuou com seu “Roberval Taylor” melhor e… com mais um fã de carteirinha.

Está aí uma ótima oportunidade para a Rádio Bandeirantes, na figura de Milton Parron, recuperar o áudio desse programa histórico reunindo dois gênios.

Abaixo, uma tradução toda especial de Roberval Talyor à musa do Karmanguia batido.

*

Chico teve uma relação estreita com o rádio esportivo. Nos anos 90, chegou a ser comentarista nas transmissões de futebol na Rádio Tupi, do Rio de Janeiro. No livro Paixão pelo Rádio”, do Rodrigo Taves, José Carlos Araújo, narrador da Rádio Globo (RJ) deu seu depoimento sobre o humorista:

“(…) Chico Anysio puxa pela memória um grande amigo, a quem deu conselhos no início da carreira e convidou algumas vezes para participar de seu programa “Chico City”, na TV Globo. E solta um elogio:

“Existem três grandes locutores: Zé Carlos, Osmar Santos e Luís Penido. Cheguei a comentar dois jogos com o Osmar, cheguei a trabalhar com o Penido, mas nunca trabalhei com Zé Carlos, o melhor de todos. Gostaria de ter recebido um convite, sinto-me frustrado por nunca ter comentado um jogo com ele”.

Garotinho pensa o mesmo. Para ele, Chico é um dos três maiores artistas que o ajudaram. (…) E dele, guarda um ensinamento sábio, passado quando se conheceram nos anos 60 no estúdio da Rádio Globo: “A maior fonte de criação é o povo e, em contato com o povo, você aprende muito”.

“Sempre fomos chegados. Eu queria fazer um “Coalhada” (um dos grandes personagens de Chico) com ele, mas não teve jeito, não sei porque não foi possível. O vejo sempre aos domingos, gosto muito dele como pessoa e profissional também”, relata Chico.

(…) A relação de Garotinho com Chico Anysio sempre foi muito boa. Bruno Mazzeo, filho do humorista, foi um dos “torcedores do futuro” quando criança, e Chico já nem se lembra mais dos inúmeros bordões que sugeriu a Zé Carlos, mas sabe que sempre deu muitas ideias.

“Os bordões fazem o locutor, têm de existir. O Zé Carlos tem e usa na hora exata, não atrasa um segundo, você não perde um lance com ele. É um dos poucos que consegue inserir a propaganda sem você perder o jogo, o que é uma coisa difícil. Zé Carlos é um espetáculo!”, finaliza Chico”.

E o salário, ó!…

*

O Show do Apolinho, na Rádio Tupi (RJ), veiculou uma reportagem especial sobre a perda de Chico Anysio.

*

No programa Ensaio, da TV Cultura, Chico falou dessas suas passagens pelo rádio.

*

Um de seus personagens mais marcantes, Alberto Roberto, em ação, entrevistando Galvão Bueno, que parece ter se divertido muito com essa participação em um quadro dos primórdios do Zorra Total.

O AM, em baixa, vai correr atras do ouvinte

18/10/2011 2 comentários

Por Flávio Guimarães

O site Bastidores do Rádio, como o nome sugere, é especializado no chamado primo pobre da TV. O responsável pela manutenção do site e pela atualização do noticiário do meio radiofônico é Adriano Barbiero, filho do colega Altieris Barbiero, veterano radialista de São Paulo, capital. Adriano vem divulgando, há tempos, números relativos à audiência do AM e do FM paulistanos. Como nem o Ibope nem as emissoras contestam os dados divulgados, tenho como boa e segura a informação que o Bastidores publica.

O cenário das FMs continua praticamente inalterado, entre as emissoras que lideram o ranking. A Tupi FM, está em primeiro lugar há pelos menos dois anos e meio, o que não é pouco. Ultimamente, a Nativa, do grupo Bandeirantes, anda ameaçando incomodar a “tribo” da avenida paulista. Veja, aqui.


A minha observação é sobre o AM, padrão de transmissão que vem sofrendo sucessivas perdas de ouvintes, tanto pela má programação quanto pela qualidade do áudio. Para compensar a falha técnica, algumas emissoras jornalísticas replicam a mesma programação do AM no FM e garantem bom retorno de audiência no segmento. Como exemplos temos a CBN, pioneira, a Bandeirantes AM e Jovem Pan AM. Esta última transmite apenas parte da programação jornalística, pela manhã, através da Pan 2, em FM. A BandNews, embora seja adepta do all news opera, desde a fundação, apenas em FM. As emissoras que resultaram da fusão Eldorado/ESPN ainda são inexpressivas e vamos deixá-las de fora. O pessoal da marginal  até pode achar ruim, mas não muda nada no contexto.


Recentemente, a Tupi Am, de São Paulo, que ocupa o dial em 1150 khz, passou a reproduzir o áudio da programação popular pela emissora-espelho, sintonizada em FM  nos 97,3 Mhz. Coisa que a Globo vem tentando, sem sucesso, pois não consegue uma emissora disponível, na capital paulista, para retransmitir os programas do AM. Já falei disso, 
aqui.

Os números divulgados pelo Bastidores do Rádio, em 13 de outubro, cobrem o período de julho a setembro. O ranking do AM, pode ser visto aquiNele, é clara a pequena diferença entre as rádios Globo e Capital, na briga pela liderança. Enquanto a emissora global soma 0,79% de audiência, com 133.148,87 ouvintes por minuto, a rádio Capital tem 0,62%m com 104.880,70 ouvintes por minuto. Falta muito pouco para a Capital alcançar a Globo e, certamente, ultrapassá-la. Com a emissora do Paraíso nos calcanhares, o AM da rua das Palmeiras deve se mexer. E aqui, não se trata, apenas, de melhorar o áudio. A direção da casa sabe disso melhor do que eu.

A rádio Globo ainda mantém a dianteira, muito em função do futebol comandado por Oscar Ulisses, irmão do pai da matéria, Osmar Santos, o querido Garotinho. Mas, daqui para a frente a diferença de Ibope entre Globo e Capital tende a diminuir. Não porque o esporte da Capital esteja ameaçando a equipe de Oscar Ulisses, mas porque a programação popular da Capital ganhou um grande reforço: Paulo Barboza.

Experiente e carismático, o consagrado radialista está de volta ao ar desde o último dia 12 de outubro, depois do rapa-geral na Record. Dono de uma grande legião de fãs, Paulo Barboza deve traduzir em sólidos números de Ibope um considerável reforço para a rádio do grupo Morizono. A “briga” que já é acirrada, tende a ficar mais intensa. Embora o número de ouvintes por minuto no AM seja inferior ao do FM, ainda representa um mercado comercial de bom tamanho e nada desprezível.

Nos próximos dias, semanas e meses teremos uma luta surda, porém notável, no AM de São Paulo. Dessa briga estão fora as rádiosall news. O “pega” promete ser interessante no dial das populares. Em breve, teremos a oportunidade de conferir se a estratégia da Tupi de transmitir em FM a programação do AM vai funcionar. Por enquanto, ainda é uma incógnita, mas, se der certo, será um elemento complicador a mais na corrida em busca do ouvinte. O negócio é se ligar, acertar a sintonia, ajustar o volume e torcer pelo melhor. O melhor para o ouvinte, bem entendido.

A despedida de Jorge Curi

06/09/2011 2 comentários

Por Rodney Brocanelli

No dia 25 de dezembro de 1985, o rádio brasileiro perdia a voz a de Jorge Curi, morto em um acidente de carro quando se dirigia até Caxambu (MG), onde iria passar as festas de final de ano. Naquela noite, a Rádio Tupi (RJ) fez uma cobertura especial, veiculando seus gols e levando ao ar depoimento de autoridades como o do então ministro das Comunicações, Antonio Carlos Magalhães. A qualidade do áudio não está aquelas coisas, ainda mais pelo fato de ser gravado do rádio. As variações de sinal se dão pelo fato de a gravação ser captada em São Paulo.

Relembrando Mario Moraes

20/08/2011 2 comentários

Por Rodney Brocanelli

Mario Moraes foi um dos comentaristas mais importantes do rádio esportivo brasileiro. Atuando basicamente em São Paulo, ele prestou serviços a vários prefixos importantes da cidade, entre eles Tupi, Jovem Pan e Bandeirantes. Também teve uma rápida passagem por Porto Alegre, onde fez parte da equipe da TV gaúcha. Nas décadas de 50 e 60, ele fez uma parceria de enorme sucesso com o narrador Pedro Luiz. As transmissões em que ambos atuavam tinham grande audiência. Achamos um registro raro de Mario Moraes, Um comentário seu, de quase cinco minutos, para a Rádio Tupi, de São Paulo. A Tupi dos Diários Associados, que fique bem claro. Uma curiosdade: quem faz a introdução é Ney Gonçalves Dias. Mario faz uma análise de fatos e personagens do futebol de 1978. Soa meio datado hoje em dia, mas vale para conhecer seu estilo. Ouça abaixo.

O arquivo faz parte do acervo de Onofre Favotto, que está disponível na Internet. Saiba um pouco mais sobre Mario Moraes, neste texto do site de Milton Neves:

http://terceirotempo.ig.com.br/quefimlevou_interna.php?id=2685&sessao=f

Tupi FM na Vejinha SP

Na última semana, a Tupi FM foi destaque na revista Veja São Paulo. A emissora, segundo o IBOPE, está na liderando do FM paulistano há três anos. Os números presentes na reportagem:

FENÔMENO DE IBOPE

Audiência média da emissora: 275.000 ouvintes por minuto
Faturamento anual: 10 milhões de reais
Total de canções veiculadas por dia: 288 músicas
Tamanho da equipe: 80 funcionários

A matéria completa por ser lida nesse link.

Por Marcos Lauro

CategoriasNotícias Tags:,

Vem aí, Tupi Serviços

28/04/2011 2 comentários

por Flávio Guimarães

Nem Paulo Barboza, nem programação musical. A Tupi AM, em 1150 KHz, aposta no jornalismo político e na prestação de serviços com o objetivo de fortalecer a programação matinal.

Quem vai comandar a nova atração, de segunda a sexta, das 07h00 às 09h00, horário nobre do rádio, é o amigo jornalista, radialista e futuro magistrado, José Nello Marques.

A proposta, de início, me agrada muito. Todo espaço dedicado ao jornalismo de serviços deve ser efusivamente saudado, uma vez que a força do rádio precisa, mesmo, atuar em favor da coletividade, transformando-se em porta-voz das reivindicações populares. O profissional escalado para desempenhar a função de elo entre autoridades e a população é mais do que capacitado, além de ser íntegro e ter bom trânsito no ambiente político. Aliás, essa é uma condição fundamental para que a voz do povo tenha as devidas ressonância e representatividade junto ao poder.

O projeto deve estrear nesta segunda-feira ou na segunda da próxima semana. José Nello Marques vai comentar as notícias do dia, ouvir a população, apresentar reportagens e entrevistar personalidades da vida política municipal, estadual e federal. A tarimba de Zé Nello como entrevistador não deixa a menor dúvida sobre o êxito da empreitada. Além disso, o programa vai contar com a participação diária de outro grande amigo, José Maria Della Guardia Scachetti, o nosso Super Zé Maria, natural de Serra Negra, São Paulo. Dono de voz excelente, personalíssima, com um timbre de causar inveja aos profissionais do setor, José Maria Scachetti é uma caixa acústica tonitruante. A função dele será a de atualizar as notícias nas manhãs do rádio. Os acontecimentos em cima da hora serão anunciados com rapidez e energia. O som alto, forte e claro da voz de José Maria é poderoso o bastante para se fazer ouvir em meio ao ritmo frenético da cidade que não pode parar.

Leia mais aqui

Paulo Barboza deve sair da Record? Para onde vai?

09/03/2011 10 comentários

Por Flávio Guimarães

Com o passar dos anos, na profissão, a gente começa a ler mais nas entrelinhas de uma notícia. É que as informações  ocultas costumam ser muito reveladoras. Tudo evolui, mas as “técnicas” para dizer o que não está escrito continuam as mesmas.

Exatamente por isso, em muitos casos, é melhor fazer de conta que não se notam as evidências e dar corda para os enforcados ou, no mínimo, plantar a árvore.

Na verdade, um comentário fora de hora precipita acontecimentos que podem ser evitados ou, pior, faz o jogo de interesses que estão por trás de informação.

Recentemente, a Rádio Tupi AM, paulista, cancelou o contrato de dois apresentadores que vinham atuando há, pelo menos, dois anos na emissora: Ivo Morganti e Rony Magrini. A notícia foi veiculada em 28.02, no siteBastidores do Rádio. Acho que Magrini estava na Tupi há mais tempo, desde a época em que Rubens Palli dirigia artisticamente a emissora da avenida Paulista, em 2008/2009.

A atual direção da casa não deu nenhuma explicação aos dois profissionais demitidos. Contratar e dispensar fazem parte do jogo; seguir as regras da polidez, além de demonstrar senso de justiça, colabora para o fair play. Magrini e Morganti, reclamaram da falta de transparência na demissão.

Dias depois, em 04.03, o mesmo Bastidores divulgou a informação de que Magrini estaria em acertos finais com a Rádio Record.

Agora, surgem informações, tratadas no plano do sigilo (como se fosse possível), dando conta de que Paulo Barboza deve se desligar da rádio Record. O que uma coisa tem a ver com a outra? Calma, vamos raciocinar!

A lógica determinaria que Barboza, saindo da Record, voltasse à Capital, aonde estava quando se transferiu para os mil “da maior”. A Capital, inclusive, tem mais “Ibope” que a Tupi, além de contar com ídolos populares como Eli Correa, Paulo Lopes, Paulinho Boa Pessoa, Cícero Augusto, entre outros, mais condizentes com o tipo de programa do radialista carioca.

E por que, então, ele não vai fazer isso? Ora, se alguém se esqueceu, o futuro da Capital ainda depende de definição.

Apesar dos maus humores que as notícias sobre a venda da emissora do grupo Morizono despertam, a verdade é que o negócio não está descartado. Não houve, até o momento, um comunicado oficial da emissora, nem que sim nem que não.

Como no caso da Transamérica, cujo desfecho foi prorrogado até se chegar à quantia ideal para as partes envolvidas, a venda da Capital, se ainda não aconteceu, pode ser concretizada a qualquer momento. É uma questão de números.

Há uma nova vertente, surgida no feriado, dando conta de que a direção da Transamérica vai negar a aquisição da rede pela Record, para não “tumultuar o mercado”. Tipo do coisa sem nexo, mas, enfim, vamos aguardar os acontecimentos.

Voltando à indefinição da Capital, resta-nos a conhecida pergunta, à la Shakespeare, para tentarmos encontrar a resposta que nos diga para onde vai Paulo Barboza: Tupi or not Tupi? Ah, eu sabia que você ia matar a charada!

E que ninguém culpe ao Paulo por isso. O profissional está no direito dele. Assim como a Tupi pode contratar e demitir quem quiser e o grupo Morizono pode vender o que desejar. Ah, sim, e a Record pode comprar o que o dinheiro permitir.

Tudo isto só não acontecerá se houver uma guinada radical da posição dos atores no palco da encenação.

A falta de clareza  que cerca os assuntos deve ser, apenas, medo de olho gordo. Ou não?

Tentei contato com as emissoras, em busca de confirmação da notícia, sem retorno. Afinal, estávamos no carnaval.

Hoje, tudo são cinzas e a visão ainda fica turva, mas assim que baixar a poeira, veremos muito melhor.

Comentário: Em todos esses anos como ouvinte e mesmo como blogueiro que cobre rádio, nunca vi uma agitação tão grande no meio como a desses últimos meses (Rodney Brocanelli)

Dois anos sem Geraldo Blota

15/01/2011 1 comentário

Por Rodney Brocanelli

Há dois anos, morria o radialista Geraldo Blota, que foi apresentador e repórter esportivo passando por emissoras como Bandeirantes, Jovem Pan, Tupi e Gazeta. Vamos relembrar dois de seus momentos no rádio esportivo. O primeiro é o milésimo gol de Pelé, quando ele foi um dos primeiros a colocar um microfone à frente do Rei do Futebol.

A final do campeonato paulista de 1977 foi outro grande momento de GB. Ele, que era corinthiano, vibrou como nunca com o gol de Basílio que tirou o time de uma longa fila sem títulos.

GOLS COR 1X0 PON Final 77 Rádio Gazeta AM by ferasdoradio

Loteria Esportiva Tupi

22/11/2010 2 comentários

Por Rodney Brocanelli

Nos anos 70, a loteria esportiva tinha uma importância fundamental na vida do brasileiro. Muita gente viu nela uma ótima maneira de conseguir um dinheirinho extra e, quem sabe, se transformar em milionário. Depois que a revista Placar passou a denunciar esquemas de venda de resultados a Loteca, como era conhecida, passou a perder prestígio. Nesse meio tempo, as recém-criadas loterias de números passaram a conquistar a preferência dos apostadores. Na época de seu auge, o rádio esportivo dava muito destaque a loteria esportiva. Um exemplo: algumas emissoras de São Paulo chegavam a mandar uma equipe para transmitir partidas de outras competições estaduais só porque elas faziam parte da loteria esportiva. A antiga Rádio Tupi (1040Khz AM), de São Paulo, que pertencia aos Diários Associados era uma delas. Numa dessas transmissões, ela revelou um narrador que ira fazer história no rádio esportivo de São Paulo: José Silvério. No áudio abaixo, Milton Neves conta como Silvério foi descoberto pela Jovem Pan. Ele e outros integrantes da equipe de retaguarda da emissora estavam acompanhando a transmissão do narrador para uma partida do campeonato carioca pela Tupi, de São Paulo, que estava na Loteria Esportiva.

A seguir, o amigo internauta poderá ouvir a versão original da vinheta que era veiculada pela Rádio Tupi, de São Paulo, e que faz parte do imaginário do ouvinte de rádio Milton Neves.

Loteriaesportivatupi by rodneybrocanelli

%d blogueiros gostam disto: