Arquivos

Posts Tagged ‘Rádio Tupi’

Rádio Capital confirma parceria com Rádio Tupi (RJ) na Copa das Confederações

10/06/2013 1 comentário

Por Rodney Brocanelli

 

A sempre competente assessoria de imprensa da Rádio Capital acaba de divulgar o planejamento da emissora na cobertura da Copa das Confederações. Na verdade, confirmou-se o que foi divulgado no começo do ano: a parceria com a Rádio Tupi (RJ).  A Capital irá reproduzir o som da emissora carioca nos jogos mais importantes. Os integrantes da sua equipe esportiva irão abrir e encerrar as transmissões. O comunicado informa que a programação normal não será afetada. Ou seja, Eli Correa e companhia não perderá seu tradicional espaço.

Uma pena que o acordo com a Tupi não tenha permitido a mistura de profissionais nas transmissões. Talvez a experiência mal sucedida da Rádio Globo, que transmitiu durante um bom tempo sua programação em rede, com uma das cabeças na cidade de São Paulo, tenha assustado seus diretores.

Talvez se a emissora não fosse a Tupi, seria possível usar o mesmo expediente usado pela Rádio Clube Paranaense, de Curitiba, que se uniu à Rádio Gazeta, de São Paulo, na Copa da Espanha de 1982 . Graças à essa parceria, foi possível ouvir na mesma transmissão, narradores como Lombardi Junior e Flávio Araújo.  Essa rede deu bons resultados na ocasião para ambas as emissoras.

Embora seja do conhecimento geral que os preços para os direitos de transmissão foram baratos, lamenta-se que a Rádio Capital não tenha acreditado no seu departamento esportivos que, volta e meia, rende bons resultados nas pesquisas de audiência e que são comemorados por sua direção.

 

Logo da Rdio Capital

 

 

Rádio Tupi não vai mais tocar música ruim

Wagner Mendes

Por Marcos Lauro

A declaração polêmica do título deste post é de Wagner Mendes, que depois de seis anos retoma a direção musical da emissora popular de São Paulo.

Por “música ruim”, Wagner entende que são as músicas com letras apelativas, que incentivam a bebedeira ou tratam a mulher de forma machista. “Não quero que a programação tenha somente músicas de amor, mas acho que as que dizem que beber é sempre bom e pegar todas as mulheres está certo não devem ser prioridade”, disse o diretor ao blog Música Sertaneja, do Estadão.

Wagner aproveita para citar quais artistas, na sua opinião, fazem músicas boas: Paula Fernandes, Cristiano Araújo, Marcos e Belutti, Jorge e Mateus e Michel Teló.

A lista causa uma certa curiosidade, já que “ai se eu te pego”, do Teló, não é um dos versos menos machistas do universo musical.

Wagner também pretende aumentar o período de repetição de uma música na programação para três horas – hoje é possível ouvir uma mesma música na Tupi num intervalo inferior a esse.

As medidas devem melhorar a colocação da Tupi no IBOPE. A rádio ocupou a primeira colocação por bastante tempo e hoje está em terceiro.

Para ler a matéria completa com Wagner Mendes, clique aqui.

Há 34 anos…

19/09/2012 1 comentário

Por Rodney Brocanelli

Vasculhando alguns arquvios de aúdio aqui no meu notebook, descobri uma incrível coincidência. Tenho dois registros da antiga Super Rádio Tupi, de São Paulo, que operava nos 1040Khz. Até já os divulguei aqui no Radioamantes, mas não tinha me atentado para a data: 19-09-1978. Há exatos 34 anos. O primeiro é uma edição do boletim noticioso O Mundo Pela Tupi, com interpretação do saudoso Cyro Cesar Silvério.

O outro é um comentário de Mario Moraes, brilhante profissional da crônica esportiva, falando sobre os assuntos do futebol da época.

Nunca é demais lembrar que os áudios fazem parte do acervo de Onofre Favotto e que estáo disponíveis na Internet.

Anunciada oficialmente, detalhes da dobradinha Capital-Tupi na Copa só saem em 2013

28/08/2012 3 comentários

Por Rodney Brocanelli

A Rádio Capital (SP) anunciou de forma oficial a parceria com a Rádio Tupi (RJ) para a transmissão da Copa das Confederações de 2013 e da Copa do Mundo de 2014 que acontecerão em solo nacional. Tal acordo foi possível graças ao regulamento da Fifa, que permite que esse tipo de associação.

O blog Radioamantes questionou a assessoria de imprensa da Rádio Capital sobre como irá funcionar na prática a dobradinha Capital-Tupi.

Não está claro se haverá mesca de profissionais das duas emissoras em transmissões de jogos do Brasil ou então apenas a reprodução do sinal da Tupi carioca.

Outra dúvida é se a paceria funcionaria também em jogos do campeonato brasileiro, com integrantes da equipe da Tupi participando de transmissões de jogos dos paulistas no Rio e de profissionais da Capital se engajando nas transmissões de partidas dos cariocas em São Paulo.

Por email, a assessoria de imprensa da Rádio Capital informou que os detalhes para a execução da dobradinha Capital-Tupi ainda estão em estudos e serão oficialmente anunicados no começo de 2013. A conferir.

O Mundo pela Tupi

12/05/2012 3 comentários

Por Rodney Brocanelli

Em setembro de 1978, a Rádio Tupi de São Paulo, que operava na época em 1040Khz, levava ao ar um jornalístico chamado O Mundo Pela Tupi. No player abaixo, trecho de uma edição, com a locução do grande Ciro Cesar. O aúdio foi extraído dos arquivos de Onofre Favotto, que estão disponíveis na Internet.

José Carlos Araújo deixa Rádio Globo e se transfere para a Rádio Bradesco Esportes

26/04/2012 5 comentários

Por Rodney Brocanelli

A melhor cobertura da grande mexida no rádio esportivo do Rio de Janeiro está no blog do Anderson Cheni. Leia abaixo uma entrevista exclusiva que ele fez com José Carlos Araújo, na qual o narrador confirmou o negócio fechado.

http://cheninocampo.blogspot.com.br/2012/04/agora-e-oficial-jose-carlos-araujo.html

E quem vai perder nessa história toda é a Rádio Tupi. Um de seus principais astros, Luis Penido, aceitou o convite da Globo.

http://cheninocampo.blogspot.com.br/2012/04/agora-e-oficial-jose-carlos-araujo.html

*

Em 1984, o rádio carioca viveu agitação semelhante quando o próprio José Carlos Araújo deixou a Rádio Nacional e se transferiu para a Globo, emissora na qual iniciou sua carreira. Sua estreia na ocasião esteve cercada de expectativa e Osmar Santos, de São Paulo, mandou uma saudação.

Quem saiu para dar lugar ao Garotinho, como é conhecido, foi Jorge Curi. Ele, depois, acertou com a Rádio Tupi, onde ficou até morrer, em dezembro de 1985.

ATUALIZAÇÃO (13.05 – 18H45) No link abaixo, assista a substituição de Garotinho por Luiz Penido na Rádio Globo

http://radioamantes.wordpress.com/2012/05/13/suderj-informa-troca-na-radio-globo-sai-garotinho-entre-luis-penido/

ATUALIZAÇÃO (24.05 – 11H30) Ouça um dos gols narrados por José Carlos Araújo na Band News:

http://radioamantes.wordpress.com/2012/05/24/jose-carlos-araujo-estreia-no-grupo-bandeirantes-pela-band-news-fm/

Chico Anysio e o rádio

24/03/2012 1 comentário

Por Rodney Brocanelli (com a colaboração da equipe Webfutmundi)

Chico Anysio, morto nesta sexta-feira aos 80 anos, começou sua carreira no rádio. É célebre a história de que ele sempre ficou na segunda colocação em testes para locutor, derrotado por Silvio Santos. Mesmo assim, ele conseguiu seu espaço no veículo. Começou na Rádio Guanabara (atual Bandeirantes), nos anos 40, e lá desempenhou várias funções: ator, redator, locutor e comentarista esportivo. Mudou-se para a Rádio Mayrink Veiga algum tempo depois e nessa emissora criou um de seus tipos mais famosos: o professor Raymundo.

Como era de se esperar, Chico migrou para a televisão, veículo no qual ele conquistou o sucesso nacional e admiração dos fãs. Contudo, ele nunca deixou o rádio de lado. Um de seus personagens era uma verdadeira homenagem à estética e as figuras que fizeram este veículo ser o que é: Roberval Taylor.

Abaixo, Roberval dá as últimas do esporte.

No programa de Roberval não poderia faltar o horóscopo.

*

Mas teve gente que não gostou muito desse personagem. O grande Helio Ribeiro achou que Roberval Taylor era uma paródia não muito lisonjeira ao seu estilo de fazer rádio. Quem conta mais detalhes é Sérgio Mattar, em texto extraído de seu blog.

Um certo dia, nos corredores da Rádio Bandeirantes de São Paulo, um acontecimento singular, foi a visita que Chico Anysio de Paula fez à Hélio Ribeiro, no estúdio A, durante o programa de maior audiência da rádio brasileira: “O Poder da Mensagem“.

Ribeiro com seus cabelos ondulados comprimia-os com enormes fones de ouvido plugados em um grande rádio portátil instalado ao lado de seu microfone. Sua voz personalíssima, ecoava naquele momento sobre a voz melodiosa de Frank Sinatra, versando nada mais do que “All the way”.

Os velhos “olhos azuis” como era tratado o bom e velho Frank, irmanava-se ao dueto maravilhoso, na tradução simultânea do talento e criatividade de Hélio Ribeiro.

Neste exato momento adentra ao estúdio o genial Chico Anysio que, apesar de não conhecer Hélio pessoalmente se pôs ao seu lado, e sem nenhum constrangimento passou a imitá-lo. Tal e qual.

Terminada a música, com tradução do Hélio Ribeiro, houve a apresentação recíproca entre Chico e Hélio e aí, rolou um papo fenomenal intercalado por outras música e traduções, além, do “filosofar poético” do “O Poder da Mensagem”.

Após as despedidas Chico retorna ao Rio e a “vidinha” segue na sua normalidade.

A Rede Globo lança um novo programa no ar com forte alarido e participação de grande elenco do humorismo nacional… “Chico City”.

Programa idealizado por Chico Anysio colocava suas personagens em atividade plena. Seus coadjuvantes faziam a escada para Chico deitar e rolar.

De repente, um fato novo, uma personagem nova, uma voz nova na cidade de Chico, era um Chico diferente, “aquele” Chico do estúdio do “Poder da Mensagem”.

Surgia “Roberval Taylor” ou a caricatura de Hélio Ribeiro elevada a potência “n”.

Foi uma balbúrdia nacional. O meio artístico entrou em ebulição. Hélio Ribeiro que entendeu “Roberval Taylor” como uma ofensa ao seu trabalho e desempenho, disparou pelas ondas médias da Rádio Bandeirantes uma ofensiva à Chico Anysio.

Evidentemente, Chico que, quis homenageá-lo ao criar “Roberval Taylor”, se pôs a satirizar mais ainda a sua criação.

Por um tempo o “mal-estar” entre ambos pairava. Um dia, por iniciativa de amigos comuns de Chico e Hélio, foi improvisado um encontro no mesmo estúdio A, no mesmo horário do “Poder da Mensagem”, para a desfeita daquele tremendo mal entendido.

De fato, apesar de, temperamentos difíceis e personalidades fortes, tanto Hélio como Chico deram grandes gargalhadas e efusivos abraços, colocando um ponto final naquele equívoco que pairava na genialidade daquelas cabeças.

Chico, com o concentimento do Hélio Ribeiro, continuou com seu “Roberval Taylor” melhor e… com mais um fã de carteirinha.

Está aí uma ótima oportunidade para a Rádio Bandeirantes, na figura de Milton Parron, recuperar o áudio desse programa histórico reunindo dois gênios.

Abaixo, uma tradução toda especial de Roberval Talyor à musa do Karmanguia batido.

*

Chico teve uma relação estreita com o rádio esportivo. Nos anos 90, chegou a ser comentarista nas transmissões de futebol na Rádio Tupi, do Rio de Janeiro. No livro Paixão pelo Rádio”, do Rodrigo Taves, José Carlos Araújo, narrador da Rádio Globo (RJ) deu seu depoimento sobre o humorista:

“(…) Chico Anysio puxa pela memória um grande amigo, a quem deu conselhos no início da carreira e convidou algumas vezes para participar de seu programa “Chico City”, na TV Globo. E solta um elogio:

“Existem três grandes locutores: Zé Carlos, Osmar Santos e Luís Penido. Cheguei a comentar dois jogos com o Osmar, cheguei a trabalhar com o Penido, mas nunca trabalhei com Zé Carlos, o melhor de todos. Gostaria de ter recebido um convite, sinto-me frustrado por nunca ter comentado um jogo com ele”.

Garotinho pensa o mesmo. Para ele, Chico é um dos três maiores artistas que o ajudaram. (…) E dele, guarda um ensinamento sábio, passado quando se conheceram nos anos 60 no estúdio da Rádio Globo: “A maior fonte de criação é o povo e, em contato com o povo, você aprende muito”.

“Sempre fomos chegados. Eu queria fazer um “Coalhada” (um dos grandes personagens de Chico) com ele, mas não teve jeito, não sei porque não foi possível. O vejo sempre aos domingos, gosto muito dele como pessoa e profissional também”, relata Chico.

(…) A relação de Garotinho com Chico Anysio sempre foi muito boa. Bruno Mazzeo, filho do humorista, foi um dos “torcedores do futuro” quando criança, e Chico já nem se lembra mais dos inúmeros bordões que sugeriu a Zé Carlos, mas sabe que sempre deu muitas ideias.

“Os bordões fazem o locutor, têm de existir. O Zé Carlos tem e usa na hora exata, não atrasa um segundo, você não perde um lance com ele. É um dos poucos que consegue inserir a propaganda sem você perder o jogo, o que é uma coisa difícil. Zé Carlos é um espetáculo!”, finaliza Chico”.

E o salário, ó!…

*

O Show do Apolinho, na Rádio Tupi (RJ), veiculou uma reportagem especial sobre a perda de Chico Anysio.

*

No programa Ensaio, da TV Cultura, Chico falou dessas suas passagens pelo rádio.

*

Um de seus personagens mais marcantes, Alberto Roberto, em ação, entrevistando Galvão Bueno, que parece ter se divertido muito com essa participação em um quadro dos primórdios do Zorra Total.

%d blogueiros gostam disto: