Início > Análise > A Era do Pós-Rádio

A Era do Pós-Rádio

Por Marcos Lauro

Se o Brasil teve sua Era do Rádio a partir de 1936 até a metade da década de 1950, hoje vivemos o que podemos chamar de Era do Pós-Rádio. As preocupações dessas duas ”eras” são bem diferentes: enquanto a primeira tinha a massa como objetivo, a segunda se preocupa (ou pelos menos deveria se preocupar) com a forma, o meio e a linguagem. Nesse artigo, pretendo explicar um pouco mais essa teoria mas sem comparar os dois períodos, que são distintos e não têm nenhuma ligação entre si. E deixo claro também que essas observações são válidas para emissoras instaladas nas grandes cidades. O interior do Brasil, além de grande, é muito rico culturalmente e a dinâmica das rádios e da relação delas com o ouvinte é completamente diferente de uma metrópole.

A culpada pelas grandes transformações no ato de fazer rádio é a internet, sem dúvidas. Na segunda metade da década de 1990, quando houve uma primeira fase de popularização da internet no Brasil, os produtores radiofônicos viram que precisavam se adaptar. Inicialmente, nessa época, essa adaptação se restringia à criação de web-sites e endereços de e-mail das emissoras. Até então, surgia apenas mais um canal de comunicação por onde as demandas dos ouvintes chegavam. E as rádios mais antenadas às novidades já arriscavam as transmissões online, por streaming. Isso era luxo.

Mas defendo aqui um marco, que pode ser totalmente discutível e contestado: o ano de 2000.

Neste ano nascia a web-rádio Radioficina @Jato, uma parceria entre a Radioficina Qualificação Profissional, escola que forma locutores e sonoplastas em São Paulo, e o extinto provedor @jato, que pertencia à também extinta operadora de TV a cabo TVA.

Foi a primeira web-rádio brasileira a transmitir ao vivo com locutores – até então existiam somente os chamados “vitrolões”, apenas com músicas e sem vinhetas ou qualquer intervenção de locutores.

Além do locutor ao vivo, o detalhe que se mostra mais importante: havia uma sala de bate-papo online para interação e, principalmente, pedidos de músicas. Além disso, o chat virava uma atração da própria rádio, pois podia ser comentado no ar. Até esse ponto não há novidades: em vez da carta chegando com o pedido musical, uma frase na tela do chat já resolvia a questão. A diferença é que, nesse momento, o produtor/locutor passava a produzir conteúdo para outro meio que não o radiofônico. O chat precisava ser alimentado com informações ou, pelo menos, respostas para as perguntas dos ouvintes/internautas. Aí é que está a mudança e a chegada do “pós-rádio”.

Transferindo a experiência para os dias de hoje, quando há mídias sociais, aplicativos e sites para serem abastecidos com música ou informação: um produtor não pensa apenas no que vai ao ar mas também em como esse conteúdo vai se transformar num post do Twitter ou do Facebook ou ainda uma matéria no site da emissora.

Desde o marco, em 2000, um produtor/locutor de rádio vai além do estúdio e do microfone e pensa nas possibilidades que aquele conteúdo pode ter em outros meios, com outras linguagens e atingindo outros públicos que não aqueles que estão sintonizados/conectados à emissora.

Vale lembrar que essa característica não é influenciada pelo público alvo da emissora. As rádios voltadas para um público mais velho e menos ativo em mídias sociais também usam as ferramentas que a web oferece hoje. Talvez o que mude seja a freqüência ou a intensidade. Uma rádio jovem precisa dialogar mais com seu público, já que ele “é” (e não “está”) online.

A Era do Rádio, no Brasil, terminou na década de 1950 com a criação e o aumento do interessa pela TV. Já a Era do Pós-Rádio não tem data para terminar. Caso o rádio queira sobreviver, ele terá que sempre pensar nos outros meios e transformá-los em aliados e agregadores de conteúdo e audiência. Essa solução, que vem sendo utilizada de forma bastante criativa em diversas emissoras, cria uma parceria entre o rádio e outros meios, e não um combate.

Categorias:Análise Tags:, ,
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: