Sobre o blog

Este é um espaço para a cobertura, discussão e análise do rádio e todas as suas vertentes: AM, FM, Ondas Médias, ondas Curtas, web-rádio, podcasts… o que tiver som, pinta por aqui.

A equipe deste blog tem seus momentos sérios, com discussões acaloradas sobre os últimos acontecimentos no rádio mundial. Mas também sobra tempo para rir, com as histórias, acontecimentos e gafes que só esse meio de comunicação, tão ágil, pode oferecer.

Somos Radioamantes e isso não podemos negar.

  1. Samuel de Leonardo
    02/06/2010 às 12:34

    Olá Pessoal.
    Que bom ter encontrado este Blog.
    Tenho 54 anos e desde os meus 5 anos de idade sou ouvinte e fanático por rádio. Acredito que deste a Copa de 62 no Chile.
    Até porque naqueles anos 60 não tínhamos aparelho de tv em casa.
    Quando criança navegava pelo dial em um aparelho Semp através de todas as ondas possíveis.
    Por influência desse poderoso meio de comunicação acabeime fromando e atuando em Publicidade.
    Acompanho tudo o que se relaciona ao meio.
    Curto ouvir narrações de futebol, mesmo que não seja do meu São Paulo.
    Considero-me um ouvinte expert. Tenho um arquivo em minha memória digno de possantes computadores (rssss)
    Muito legal saber de vocês.
    Continuem…

    Curtir

  2. nagib
    26/08/2010 às 17:24

    samuel
    se tiver interesse me retorne, pois tenho interesse em discutir o rádio em sp. tenho 57 anos.
    abs
    nagib
    partic.jr@uol.com.br

    Curtir

  3. luiz satirio
    26/08/2010 às 21:55

    legal , bom saber que existem pessoas que curtem as mesmas coisas que eu . quero parabenizar vcs e tentar saber mais sobre a radio cidade 96,9 e quero saber se nao existe nenhum empresario sabio que nao tenha medo de se dar bem , pra que? é pra ser corajoso ao ponto de se lançar a essa complicada e disputada audiencia no radio ,o que quero dizer é sera que nao tem ninguem com o proposito de voltar com uma radio nos mesmos pradrões da radio cidade ou susseso fm , tenho 26 anos e digo por mim e por muitas outras pessoas que depois que a radio deixou de existir deixamos de acompanhar em modo geral a radio brasileira , hoje sinto que falta alguma coisa , diga-me quem com mais de 20 anos que nunca escultou a cidade ou susseso! entao ,
    radio de jornalismo !!! NÃO ! não queremos mais saber de trasito ou de violencia corrupção politica religião , queremos algo como cidade susseso radio que faz bem em todos o sentidos ,hoje eu comvoco todos os amantes da radio antiga cidade susseso para comigo fundar um movimento volta susseso , nao podendo ser com o mesmo nome mais com a mesma programação com os mesmo locutores , não tenho duvida de que quem investir nessa ideia não se dara mau , sou um simples trabalhador assalariadojuro que se pudese investiria mesmo se nao tivesse o retorno desejavel , tenho certeza que issu nao ira acontecer . apaixonado pela susseso cidade 96,9

    abraço a todos.

    Curtir

  4. Marcos Couto
    04/11/2010 às 19:23

    Trabalhei 15 anos na Rádio Bandeirantes de Porto Alegre como narrador esportivo. Fiz dupla com Mário Lima, Paulo Branchi , Daniel Oliveira entre outros estou agora ai no mercado, procuro fugir de especulações tenho algumas pré – propostas mas enfim estou na área.

    Curtir

  5. Adelar Amarante
    08/11/2010 às 15:36

    olá amigos. Uma grande alegria em acessar a esse blog, interessante já que aborda temas de interesse comum dos locutores esportivos. Tenho 49 anos ( sou narrador esportivo há quase 30 anos, com forte atuação no interior do Rio Grande do Sul. Permaneço na mesma casa Rádio Progresso ( Ijuí – RS ) há 27 anos, mas já passei brevemente por outros prefixos. Não descarto para breve a realização de transferência para importante região com força na crônica esportiva de Santa Catarina. Sucesso ao Haroldo na Band e expectativa para o ingresso do Mario Lima na Guaíba e do Marcos Couto que é um grande cidadão na ocupação de outros espaços. Abraços… Adelar Amarante…

    Curtir

  6. 30/11/2010 às 17:54

    Olá, raidoamantes.
    Como admirador deste meio e também podcaster, gostaria de parabenizar a esta dupla que faz barulho na web com esse excelente blog. Acabo de postar sobre o trabalho de vocês no blog Peças Raras. Sucesso e continuem de ouvidos bem atentos.

    Curtir

  7. Gunar Adolfo
    06/01/2011 às 18:49

    Olá!

    Gosto do rádio esportivo. Desde criança acompanho a Rádio Guaíba, por ser gaúcho e gremista. Mas sempre gostei de “navegar” pelo dial. Mas hoje vejo e ouço com tristeza a trasformação da Guaíba. Lamentável para quem é guaibeiro. Mas a vida é dinamica e mudanças acontecem. Pena que numa rádio que fazia sucesso, mudam-se estilos.

    Parabéns pelo site. Ouvir as grandes vozes do rádio esportivo, é matar suadades. Apenas não encontrei nada do Pedro Carneiro Pereira.

    Abraços
    (da Região Metropolitana de Curitiba)

    Curtir

  8. 07/01/2011 às 20:15

    Olá Gunar,

    Obrigado pela visita. Assim que tivermos algo sobre o Pedro Carneiro Pereira, colocaremos aqui. Sei que existe um documentário bacana sobre ele no You Tube.

    Abraços

    Rodney

    Curtir

  9. 19/01/2011 às 13:00

    A Rádio Guaíba de Porto Alegre contratou o narrador Marcos Couto, ex-Band de Porto Alegre e ex-ABC de Novo Hamburgo, para o lugar de Jacir de Oliveira que retornou para o Paraná.

    Abraço

    Lauro Goulart – Reg. Jornalista 5.473 RS / Reg Radialista 8.610 RS

    Curtir

  10. Orestes de Andrade
    14/02/2011 às 21:57

    Amigos, é um prazer encontrar companheiros opinando a respeito de assuntos relacionados ao Rádio. Sou locutor esportivo da Rádio Guaíba a 16 anos, e posso informar sem medo de errar que o meu amigo, Adelar Amarante da Rádio Progresso de Ijuí, é um excelente narrador. Se alguem estiver interesado em contratar um ótimo profissional, não perca essa oportunidade. Como estamos com cinco naradores na Guaíba, estou tentando achar uma colocação para o Adelar em outro prefixo. Um abraço a todos
    Orestes de Andrade – Galo Missioneiro

    Curtir

  11. 18/02/2011 às 02:32

    Orestes, vc tem algum áudio dele? Mande pra mim que eu publico. Abraços, Rodney

    Curtir

  12. Robison Batista
    13/03/2011 às 19:36

    desde os 8 anos sou um radio amante do rio grande do sul mais precisamente da Radio Guaíba!!!!!!!!!!! Que tem uma equipe de esportes nota 10!!!!!!!!

    Curtir

  13. Robison Batista
    13/03/2011 às 19:37

    Hoje com quase 19 anos sou cada vez mais defensor e ouvinte do radio principalmente esportivo!!!!!!!!!!!

    Curtir

  14. renato
    17/03/2011 às 12:24

    Para: Brocanelli
    Assunto: Transamérica

    A um burburinho na praça que diz que a Record quer comprar a Transamérica para fazer da Transamérica uma rádio de notícia, como a Bandnews e a CBN. Tal informação procede? Tem fundamento?

    Essa notícia da possível aquisição da Transamérica pela Record surgiu no final do ano passado. Foi publi-cada na revista Veja. E ganhou força, há alguns dias. Mas ambas as partes desmentem e juram – de pés juntos – que não tem nada disso. Será?

    Se não existe nada de concreto sobre a compra da Transamérica pela Record, por que tal boato está sendo desmentido somente agora? Por que o bendito deste diz-que-diz-que da compra da Transamérica pela Re-cord veio à tona só agora?

    Renato Monteiro
    Curitiba – Paraná
    E-mail: renmonklo@gmail.com

    Curtir

  15. renato
    17/03/2011 às 13:55

    Para: Transamérica/Record
    Assunto: Transamérica/Record

    A um burburinho na praça que diz que a Record quer comprar a Transamérica para fazer da Transamérica uma rádio de notícia como a Bandnews/CBN. Tal informação procede?

    A notícia da possível aquisição da Transamérica pela Record surgiu no final do ano passado. Foi publicada na revista Veja. E ganhou força, há alguns dias. Mas ambas as partes a desmentem-na. Por quê?

    Se não existe nada de concreto sobre a compra da Transamérica pela Record, por que tal boato está sendo desmentido? Por que o bendito deste diz-que-diz-que da compra da Transamérica pela Record acentuou-se após o Carnaval e a direção da rádio Transamérica e da Rede Record evitam falar a respeito deste assunto?

    Renato Monteiro
    Curitiba – Paraná

    Curtir

  16. Cassiano Macedo
    21/03/2011 às 17:44

    Legal o blog com notícias relacionadas com esse veículo que completará 90 anos no Brasil em 2012. Apresento na Rádio Aparecida todos os sábados o Encontro DX, um programa voltado para os dexista, aqueles que são especialistas na captação das ondas curtas. Porém damos destaque geral ao mundo do rádio.

    Curtir

  17. Marcos Couto
    19/05/2011 às 14:27

    Este Blog representa a memória do rádio Nacional em todas as suas frentes.

    Curtir

  18. jussara
    05/07/2011 às 15:49

    ola kaka te amoooo te ouço todos os dias te admiro muito peço que deus o ilumine a cada dia que o kakasinho tenha uma breve recuperaçao espero conhecelo um dia e quando o walter encontrar o meu pai nos vamos ai abraçalos bjsss saude e força pra voçe pra cris . bjsssss amigo

    Curtir

  19. jose
    26/10/2011 às 17:08

    caros amigos o radio am não tem mais ouvintes porque o povo gosta de ouvir musicas e informação,mais existe a ideia que radio am e pra ficar com papo furado alem de repetir as musicas com frequemcia no mesmo dia.existe milhoes de musicas diferentes poque não tocalas?

    Curtir

  20. Adelar Amarante
    28/10/2011 às 11:48

    Olá amigos. Lamento a morte de uma das maiores expressões da Crônica esportiva – Luis Mendes. Tive oportunidade de conhecer o Mendes numa joranda esportiva no Maracanã. No início de sua carreira, Luis Mendes, gaúcho de Palmeiradas Missões atuou em Ijuí ( minha cidade ), onde trabalhou em um sistema de sonorização que na época exercia papel similar ao Rádio. Fará muita Falta.

    Adelar Amarante – http://www.radioprogresso.com.br

    Curtir

  21. Gabriel Dias
    24/01/2012 às 11:24

    Olha essa Rodney, Abraços!!!!

    Curtir

  22. 08/02/2012 às 17:29

    Olá, tudo bem?

    Sou uma integrante dos organizadores da Campanha da Gorduchinha 2014. Gostaria de um email para que que possa entrar em contato com vocês, seria a respeito de uma ação que queremos fazer em parceria com os blogs apoiadores.

    Você pode me retornar pelo email gorduchinha2014@gmail.com, ou pelo o meu patricia@fullhaus.com.br.

    Aguardo o retorno. Obrigada!

    Curtir

  23. 12/02/2012 às 18:51

    ja deixei meu recado a jose silverio da-lhe timao

    Curtir

  24. 12/02/2012 às 18:58

    ja deixei meu recado a jose silverio da-lhe timao mande abraço ao meu pai zilmar que dia 15-02 -12,niver dele um abraço de seu fa icaro, meu filho ,penapolis s.p

    Curtir

  25. Waldir Raimundo - Sao Carlos - SP
    26/02/2012 às 11:53

    Ola Newton Neves! Sou de São Carlos-SP e gostaria que voce deixasse uma homenagem ao Glorioso e inesquecivel Fiorio Gilioti considerado um dos mais tradicionais locutor esportivo da Radio que deixou muita saudades nas suas transmissoes poeticas que ralizava nos jogos.
    fico no aguardo Neston Neves e estou na escuta do seu programa agora.

    Curtir

  26. 27/02/2012 às 23:51

    Boa noite!
    Obrigado, pelo depoimento, feito a respeito do blog Golden FM.
    Agora tenho novidades. O blog, continua existinto.
    E vcs também, podem visitar o nosso site.

    http://www.goldenfm.com.br

    Curtir

  27. 08/05/2012 às 10:58

    Quer uma maneira de aumentar a divulgação do seu site?
    Acesse o DivulgaBlog. É completamente gratuito, simples de usar e em poucos minutos o seu blog estará cadastrado na nossa base de blogs e visível para milhares de usuários.
    Dê uma conferida ! http://www.divulgablog.com.br/

    Curtir

  28. anselmo luis biral
    16/05/2012 às 20:28

    Boa noite, estou procurando a muito tempo uma vinheta da Radio Bandeirantes AM-SP que dizia no seu inicio -“Bom dia meu São Paulo terra da garoa , bom dia meu São Paulo bom dia interior, bom dia São Paulo de gente boa, sem preconceito de raça ou de cor” por favor quem as tiver me mande o link para- albiral@gmail.com – a/c anselmo

    Curtir

  29. 27/06/2012 às 14:49

    Sou Diretor de uma Rádio web. Acho que a grande dificuldade que encontramos é falta de profissionalismo no segmento. Pois, existem várias Rádio feita dentro de um quarto. Precisamos criar um Padrão para transmissão. Uma sugestão: criar uma associação,ou uma Agência de Telecomunicações na net. Tipo Anatel . Abraços aos companheiros.

    Curtir

  30. Dora
    10/10/2012 às 15:01

    Sou artista plástica e estou fazendo um filme de arte sobre a rivalidade (e as semelhanças) entre Brasil e Argentina. Gostaria de utilizar, como parte da trilha sonora, a locução de rádio da partida entre Brasil e Argentina na copa de 1978. Vocês sabe como posso conseguir isso? Abraços

    Curtir

  31. Ulisses Grego
    14/11/2012 às 16:03

    Sugestão de Matéria:

    RÁDIO AM VAI MIGRAR PARA FM

    A novidade foi anunciada pelo consultor e ex-presidente da Associação das Emissoras de Rádio e Televisão de São Paulo (AESP), Oscar Piconez. Ele esteve esta semana em Cuiabá participando do segundo ‘Seminário Mato-grossense de Rádio’ ministrando uma palestra sobre a “A publicidade no rádio”. Segundo Piconez, as emissoras chegaram à conclusão que mesmo com a digitalização o sinal da AM dificilmente vai melhorar em função da interferência dos eletrodomésticos dentro de casa. “Quando a pessoa liga uma batedeira de bolo, secador de cabelo ou qualquer eletrodoméstico interfere no som da AM, enquanto no FM isso não ocorre”, completou.

    O ex-presidente da AESP informou no seminário que o governo brasileiro aceitou a proposta de migração para essa nova faixa FM e praticamente suspendendo o processo de digitalização das AMs que seria um processo caro e sem a mesma garantia de qualidade no som. Os primeiros testes começam em dezembro, em São Paulo.

    A migração das AMs seria para uma faixa de Freqüência Modulada (FM) de 70 a 87 MHz que ocuparia o espaço dos canais 5 e 6 das TVs que já receberam orientação para desocuparem esses canais pelo país afora. Neste espaço caberiam 140 rádios AMs. Hoje, as FMs usam a faixa de 88 a 104 MHz.

    Para ulização do espaço entre 70 a 87 MHz será necessário que a indústria brasileira supra a demanda de produção de rádios com captação de faixas estendidas. Existem pouquíssimos modelos de aparelhos que captam essa frequência hoje no mercado. Mesmo assim, ainda é mais viável a adaptação do rádio atual do que a digitalização dele, tanto para as emissoras quanto para os ouvintes.

    FONTE: AESP

    Curtir

  32. renmonklo@gmail.com
    12/12/2012 às 15:25

    Quem Sidnei Campos contratará para substituir o Cláudio Marques como comentarista da RB2?

    Informe por gentileza data, hora e emissora de rádio em que o programa “A Grande Resenha Esportiva” será veiculado e se Nélson Santos continuará no comando da mesma, ao lado de Manoel Fernandes, Biro-Biro, Henrique Giglio, Caxias, Wilson Maciel.

    Em que emissora de rádio Jaques Santos, Wilians Lima e Fernando César trabalharão?

    Renato Monteiro
    Curitiba – Paraná

    Curtir

  33. 13/09/2013 às 19:17

    História de fanático por rádio atuando em webradio/tv também é noticia?
    http://abcdmaior.com.br/noticia_exibir.php?noticia=53597

    Curtir

  34. gonçao brito
    06/01/2014 às 10:20

    Rodnei a radio paulista foi o primeiro canal usado em sao paulo pela radio capital hoje entao transmitindo em 1040

    Curtir

  35. gonçalo brito
    06/01/2014 às 10:20

    gonçao brito :
    Rodnei a radio paulista foi o primeiro canal usado em sao paulo pela radio capital hoje entao transmitindo em 1040

    Curtir

  36. 09/01/2014 às 01:23

    Verdade, e depois a Capital trocou de freqüência com a Tupi (Diários Associados).

    Curtir

  37. Fabio Fernandes
    24/02/2014 às 22:15

    Já ouviram falar de uma web radio de São Paulo chamada antena zero?
    tem mais de 40 programas por semana uma joia que precisa ser divulgada.

    Curtir

  38. 05/04/2014 às 17:17

    Independente da veracidade do conteúdo da entrevista dada ao Jornal O Globo, o fato (triste) que constatamos no meio Rádio é que o JABÁ foi literalmente institucionalizado. Já me contaram que tem Rádio até com Tabela de Preços. Lamentável!!!
    Estou no meio desde 1969. Fazia programação para mais de 100 emissoras AM/FM em todo o Brasil. Imaginem como eu era paparicado. Recebi inúmeras ofertas em $$ para tocar isso ou aquilo. Mas na REDE L&C de Emissoras nós mantínhamos o profissionalismo com Pesquisas de Opinião Pública (ouvintes de todo o Brasil) e nossa avaliação.
    De lá pra cá, muita gente cedeu ao “jabá”. As grandes emissoras inclusive. São raras as exceções.
    Por tudo isso, eu e meu sócio Dennys Slayde criamos nossa própria WebRadio CLASS FM. E como resultado desse profissionalismo e seriedade (repudiamos o jabá) somos ouvidos em todo o Brasil e em mais 85 PAÍSES em todo o mundo – veja aqui:
    http://classfm.com.br/class_no_mundo.html .
    Quem ainda não ouviu, precisa acessar.

    Curtir

  39. 20/05/2015 às 22:29

    Ola gente,.
    Sou gaucho e agora moro em Curitiba.
    Tenho uma Webradio que estou a ajustando o site dela.
    Radio Vinotur.
    Enviou minha colaboraçao sobre a noticia da Radio Ouro Verde FM Easy aqui de Curitiba.
    Uma emissora otima de se ouvir.
    Agora eles contrataram Marcio Seixas -Dublador e EX Radio Jornal do Brasil.
    Abaixo o link da informaçao no panoramafr.blogspot.com via AEP Associaçao de Emissoras do Parana.Espero que voces goste da Novidade da Easey.
    Abraços a todos.

    Ouro Verde FM anuncia Márcio Seixas como comunicador em Curitiba

    Difusora AM e Caiobá FM, emissoras que pertencem ao mesmo grupo da Ouro Verde FM, também contam com novidade em suas grades
    O grupo SIRA, responsável pelas rádios Ouro Verde FM 105.5, Caiobá FM 102.3 e Difusora AM 590, vai promover novidades que atingem as grades de programação dessas emissoras que estão sediadas em Curitiba. Uma delas é a confirmação da presença do dublador e locutor Márcio Seixas na grade matinal da Ouro Verde FM, emissora que há anos é líder de audiência no segmento adulto-contemporâneo da Grande Curitiba (dados do Instituto Ibope). O profissional é conhecido por dublagens de atores famosos como Clint Eastwood, Leslie Nielsen, Sean Connery ,Roger Moore, Michael Caine, Morgan Freeman, entre outros. Já a Caiobá FM e a Difusora AM apresentarão novidades no jornalismo. Acompanhe:
    Márcio Seixas fará a sua estréia na grade da Ouro Verde FM a partir da próxima sexta-feira (24), passando a comandar o horário da manhã na FM curitibana. O locutor ficará responsável pelo horário das 06h00 às 12h00, enquanto as demais faixas horárias da emissora continuarão sem alterações. A novidade deverá movimentar ainda mais o projeto da Ouro Verde FM em Curitiba, emissora que vem de uma sequência positiva na corrida por audiência desde o final do segundo semestre do ano passado. Destaque para a liderança da rádio em seu público-alvo (adulto-contemporâneo) e também para o “Momento Espírita”, atração que está na 105.5 FM desde 1992 e em dezembro passado completou 22 anos no ar.
    Já a Difusora AM passará a contar com Adilson Arantes para comandar o “Jornal da Manhã” nas rádios populares do grupo SIRA. Arantes estava na Rádio Banda B AM 550 e agora vai ancorar a grade jornalística das rádios Difusora AM e Caiobá FM (emissora que retransmitirá o programa a partir das 05h00), além de participar da gestão operacional da 590 AM de Curitiba. Adilson atuava até o começo de abril como coordenador de jornalismo da Rádio Banda B.
    Recentemente a Caiobá FM também passou a contar com Thiago Agostinelli como comunicador das 18h00 às 22h00, profissional com passagens pelas rádios Massa FM 97.7, ex-Mix FM 91.3, Jovem Pan FM 103.9, entre outras. E a Ouro Verde FM também passa a contar com o repórter Remy Tisot para a cobertura do trânsito em tempo real da Grande Curitiba.
    Fonte: Portal Tudo Rádio

    http://panoramafr.blogspot.com.br/2015/04/ouro-verde-fm-anuncia-marcio-seixas.html

    Curtir

  40. 20/05/2015 às 22:38

    Igreja Universal negocia compra da CNT

    Quinta-feira, 14 de maio de 2015
    Templo é dinheiro, todos sabem. A Igreja Universal do Reino de Deus está negociando a compra da emissora CNT, sediada em Curitiba. As quatro geradoras e as 50 retransmissoras do canal, espalhadas em 16 estados e DF, estão avaliadas em R$ 300 milhões. Edir Macedo, da Universal, já é dono da Record, RecordNews e Rede Família. No ano passado, a IURD conseguiu alugar 22 horas na CNT, onde gasta R$ 8 milhões por mês. O Ministério Público Federal é contra: acha que o acordo configura “alienação de concessão publica”.

    FONTE- Blog Fabio Campana.

    http://panoramafr.blogspot.com.br/2015/05/igreja-universal-negocia-compra-da-cnt.html

    Curtir

  41. 15/06/2015 às 16:21

    Olá boa tarde amigos da RADIOAMANTES, meu nome é Luiz Mendes administrador da web radio RADIOVIVER, gostaria de saber a possibilidade de eu divulgar minha web radio atraves de seu Portal, em contrapartida nós da RADIOVIVER divulgariamos seu portal em nosso site… Aguardo resposta e desde já agradeço…

    LINK: http://www.radioviver.tk/

    Curtir

  42. Reginaldo Zucoloto
    08/07/2015 às 02:13

    Quero pedir aos internautas que souber do e-mail do senhor Cassiano macedo apresentador do programa encontro DX pode me mandar?

    Curtir

  43. 12/07/2015 às 11:09

    Prezados Amigos, sou a,mante de radio como voces. Coo faço para ouvir as materias comentadas aqui por voces.?
    Gerson Edson Toledo Piza
    São Carlos – SP

    Curtir

  44. 14/07/2015 às 12:06

    Marcos Lauro, Estou preparando o seu perfil para o Portal dos Jornalistas. Por favor me confirme desde quando faz parte da Radioamantes. Parabéns a todos. Trabalho maravilhoso. Zeza

    Curtir

  45. 14/07/2015 às 12:34

    Oi, Zeza. Sou fundador do blog, junto com o Rodney. Valeu! 🙂

    Curtir

  46. 01/10/2015 às 10:30

    http://rdm-brasil.org/content/migra%C3%A7%C3%A3o-para-do-am-para-o-fm-quem-interessa

    Migração para do AM para o FM, a quem interessa?

    No dia 7 de novembro de 2013 foi assinado pela presidenta Dilma
    o Decreto 8.139, que trata sobre a extinção do serviço de radiodifusão
    sonora em ondas médias de caráter local. Este decreto permite que as
    emissoras AM (ondas médias) possam migrar para o FM (VHF) mediante
    pagamento de um valor de adaptação de outorga, tido como exorbitante
    especificamente para emissoras AM locais. Caso as mesmas, optem por não
    migrar para o FM, deverão requisitar o reenquadramento da outorga para
    caráter regional, com maior potência, caso contrário a outorga não será
    renovada. Emissoras de maior potência (regionais ou nacionais) também
    podem solicitar a migração para FM.

    A faixa de AM está compreendida entre 540 kHz e 1610 kHz, na
    faixa de Ondas Medias, e possui características de propagação muito
    interessantes, permitindo que uma emissora consiga transmitir seu sinal
    através de regiões com topografia acidentada, pois a emissão tende a
    acompanhar o perfil do terreno. No período noturno um sinal em OM é
    refletido pela ionosfera, permitindo que uma emissora possa ter alcance
    de centenas de quilômetros de raio.

    A faixa de FM está compreendida entre 88 MHz e 108 MHz, na
    faixa de VHF. Sua principal característica é a direcionalidade, que pode
    ser bom, ou pode mesmo prejudicar, pois essa faixa de frequência se
    propaga de forma análoga à luz, sempre em linha reta, sendo bloqueada ou
    refletida por obstáculos naturais e artificiais, como montanhas,
    edifícios, grandes construções, etc. Seu comportamento não varia
    significantemente de dia ou de noite.

    Com o uso do padrão de rádio digital, Digital Radio Mondiale
    (DRM) é possível a digitalização de todas as bandas do rádio, tornando
    totalmente desnecessária essa migração.

    No contexto do Decreto 8.139, uma emissora OM que opte por não
    migrar para o FM, pode passar a transmitir em digital utilizando o
    padrão DRM, transmitindo no modo simulcast (simultâneo) AM/DRM, que
    mantém o AM analógico inalterado, preservando o parque de antenas e a
    maioria dos equipamentos. O sinal DRM no modo simulcast é posicionado em
    um único canal adjacente ao sinal AM.

    Muitas emissoras em AM que usam transmissores como Nautel ou BT,
    por exemplo, já estão prontas para o DRM. Na Índia as emissoras
    em Ondas Médias já estão transmitindo em simulcast AM/DRM, e receptores
    compatíveis com DRM já estão sendo feitos nacionalmente. Atualmente são
    mais de oitocentos milhões de habitantes na India cobertos com sinal de
    emissoras transmitindo na faixa de AM (Ondas médias) em DRM.

    Uma estação de rádio em Ondas Médias (AM) transmitindo em DRM
    tem seu áudio com qualidade superior ao de uma emissora FM analógica.
    Além disso, o rádio digital permite a multiprogramação, áudio 5.1,
    recursos como envio de textos e imagens, conteúdos multimídia, alerta de
    emergência (EWF) e outros serviços, como aplicações interativas para o
    Ginga, que é a plataforma de interatividade da TV Digital, já definida
    para ser utilizada com o DRM.

    Enquanto alguns países já estão desligando o FM analógico, o
    Brasil está indo na contramão da evolução tecnológica, propondo a
    migração de um sistema analógico em Ondas Médias para um sistema
    igualmente analógico em VHF (FM) e com mais um agravante: o espectro em
    VHF nos grandes centros está lotado. Por que não evoluir o sistema de
    AM, do analógico para digital, a um custo muito menor, preservando uma
    grande parte dos equipamentos hoje existentes e transmitindo um áudio de
    excelente qualidade, e ainda com um consumo de energia muito menor?

    Por que não repetir o sucesso do Sistema de TV Digital
    Brasileira, que já está sendo adotado por vários países?

    Outro ponto muito importante que não podemos omitir é que muitas
    emissoras em Ondas Médias tem um caráter local, atendendo muitas
    comunidades compostas por grupos minoritários. Sua migração para VHF
    (FM) ou um eventual aumento de potência, para se tornarem regionais será
    economicamente e tecnicamente inviável para locais de topografia
    complexa. Portanto, aplicado o decreto vigente em seu formato atual,
    muitas comunidades ficarão “no escuro”. Assim, propõe-se que as rádios
    locais em Ondas Médias que desejarem manter sua abrangência, deverão
    fazê-lo no modelo simulcast AM/DRM.

    No entanto, teria sido muito mais interessante do ponto de vista
    tecnológico, para as emissoras que realmente desejem migrar para a faixa
    de FM, (VHF), que migrassem já em DRM. Aí sim teríamos uma evolução
    tecnológica no sistema de rádio brasileiro.

    É urgente a decisão de qual será o modelo de referência do
    Sistema Brasileiro de Radio Digital para que a agonizante indústria de
    transmissores e receptores nacionais possa colocar equipamentos digitais
    no mercado e volte a vender.

    A melhor opção para o sistema brasileiro de rádio digital é o
    DRM, pois em termos técnicos é o único sistema que atende todas as
    faixas de frequência, (OM, OT, OC, e VHF) e em termos de modelo de
    negócio, é o único com código aberto, sem necessidades de licenças para
    desenvolvimento de transmissores e receptores pela indústria nacional.
    Também é possível sua implantação pelas rádios comunitárias, pois o DRM
    funciona em baixa, média e alta potência. A economia de energia elétrica
    é relevante, sendo possível cobrir a mesma área com menos da metade de
    consumo de energia.

    O DRM foi desenvolvido por um consórcio de várias organizações
    públicas de radiodifusão, empresas privadas ligadas ao setor de
    transmissão e recepção, universidades, centros de pesquisas, dentre
    outros órgãos e instituições. O DRM é um padrão totalmente aberto, sendo
    que todas as normas estão disponíveis na Internet, assim como o ISDB-Tb
    (utilizado na TV Digital Brasileira).

    Além disso, o codificador de áudio do DRM, é o mesmo da TV
    Digital, o MPEG4 AAC. O middleware Ginga, plataforma para interatividade
    que foi a contribuição brasileira ao Sistema Brasileiro de TV Digital,
    já possui suporte feito pela PUC-Rio para ser utilizado sobre o DRM.

    O outro sistema que está sendo considerado para adoção pelo país
    é o HD Radio (HD significa Hybrid Digital), desenvolvido e de
    propriedade da empresa norte-americana Ibiquity. Por ser um sistema
    proprietário e fechado, todos os seus códigos de funcionamento são
    segredos industriais conhecidos apenas pelo seus proprietários. Entre
    suas características conhecidas estão as seguintes:

    Ocupa o dobro da largura de banda do DRM, sem prover uma taxa de
    transmissão superior. O HD Radio, sendo um padrão híbrido (HD significa
    Hybrid Digital), concebido para permanecer junto ao sinal analógico, não
    permitirá um futuro apagão do analógico de forma a permitir a otimização
    do espectro.

    Apesar de funcionar em OM e VHF, as poucas emissoras o utilizam o HD
    Radio em OM nos Estados Unidos estão desligando o sinal digital, por ter
    uma performance muito ruim. Atualmente, são mais as emissoras
    abandonando o HD do que aquelas que estão o adotando como padrão.

    Grande parte do HD Radio é segredo industrial, incluindo o
    codificador de áudio, conhecido como HDC assim como os protocolos para
    transmissão de conteúdo multimídia e outros serviços digitais.

    O HD Radio, diferentemente de qualquer outro padrão da ITU para
    radiodifusão, cobra licença de uso do sistema. No momento que a emissora
    entra no ar uma taxa de milhares de dólares é paga, e anualmente as
    emissoras devem pagam para a Ibiquity uma taxa de uso.

    O HD Radio possui poucos modos de configuração, sendo um sistema
    engessado, no qual somente uma empresa controla seu desenvolvimento.
    Essa empresa é a norte-americana Ibiquity Digital.

    As diretrizes do rádio digital no Brasil são dadas pela Portaria
    nº 290/2010 do Ministério das Comunicações, que indica claramente que o
    único padrão passível de adoção no Brasil é o Digital Radio Mondiale,
    visto que o HD Radio contraria vários parágrafos da portaria, como por
    exemplo:

    Art. 3º da Portaria 290/2010 de 30 de março de 2010, que norteia
    a digitalização do rádio no Brasil, diz:

    I- promover a inclusão social, a diversidade cultural do País e a língua
    pátria por meio do acesso à tecnologia digital, visando à democratização
    da informação;

    DRM: Funciona em Ondas Curtas, essencial para as regiões distantes
    dos grandes centros, como forma de integração nacional. Fácil instalação
    e sem a necessidade de infraestruturas complexas. Apenas um pedaço de
    fio e já é possível ouvir uma estação de rádio. Também as rádios
    comunitárias se beneficiariam com a adoção do DRM, pois esse sistema tem
    um ótimo desempenho em baixa potência, o que não ocorre com o HD radio.
    ATENDE

    (Obs do Daniel: podemos aqui colocar a possibilidade de ter uns 3 TX
    na mesma frequência em Long Interleaving 2s para cobrir uma área como o
    Brasil? Será que isso funcionaria? Isso seria algo fantástico de ser
    feito e com potência relativamente baixa em relação a área coberta.)

    HD Radio: Não promove a integração nacional pois não funciona em
    ondas curtas, ficando restrito aos grandes centros. Não serve para
    potências baixas. NÃO ATENDE.

    IV- propiciar a transferência de tecnologia para a indústria brasileira
    de transmissores e receptores, garantida, onde couber, a isenção de
    royalties;

    DRM: Atende, pois por ser um sistema aberto, com todos os padrões e
    normas divulgadas publicamente (internet), pode ser utilizado por
    qualquer um, sem a necessidade de pagamento de licenças. ATENDE.

    HD Radio: Sistema proprietário com tecnologia fechada. Não haverá
    acesso à tecnologia e se houver, será restrita e limitada. É uma “Caixa
    Preta”. Há necessidade de pagamento de licenças para transmissores e
    receptores, onerando a fabricação dos mesmos Para a emissora que
    adotá-lo, existe a necessidade de pagamento de taxas para o seu uso,
    taxas essas que aumentam de acordo com os recursos implementados. NÃO
    ATENDE.

    V- possibilitar a participação de instituições brasileiras de ensino e
    pesquisa no ajuste e melhoria do sistema de acordo com a necessidade do
    País;

    DRM: Sistema aberto, padronizado por normas internacionais,
    possibilita seu aprimoramento por pesquisadores e desenvolvedores. Um
    exemplo é a contribuição brasileira, com a inclusão da interatividade
    através do GINGA. ATENDE.

    HD Radio: Não há abertura de sua tecnologia e portanto não acessível
    aos pesquisadores. NÃO ATENDE.

    VI- incentivar a indústria regional e local na produção de instrumentos
    e serviços digitais;

    DRM: Isenção de taxas de uso. Menor custo para toda a cadeia, desde
    transmissores até os receptores e emissoras. ATENDE.

    HD Radio: Maior custo para pagamento das licenças de uso e
    manutenção das emissoras. Quanto mais recursos implementados, mais taxas
    deverão ser pagas. NÃO ATENDE.

    VIII- proporcionar a utilização eficiente do espectro de radiofrequência

    DRM: Canal único digital, que ocupa o mesmo espaço de um sinal
    analógico. ATENDE.

    HD Radio: Utiliza 2 portadoras digitais laterais, além da analógica,
    ocupando desta forma o espaço de 3 canais. Dificuldade em equilibrar
    interferências entre os sinais digital e analógico. Não funciona sem o
    sinal analógico, ou seja, nunca poderá ser Full Digital. Sempre
    dependerá da portadora analógica. NÃO ATENDE.

    XI- propiciar vários modos de configuração considerando as
    particularidades de propagação do sinal em cada região brasileira;

    DRM: Por permitir diversos modos de transmissão, pode funcionar em
    Ondas Médias, Ondas Tropicais, Ondas Curtas, e VHF, podendo ser
    configurado, de forma a adequar a transmissão de acordo com a
    necessidades da área a ser atendida. ATENDE.

    HD Radio: É um sistema “engessado” não possibilitando mudanças nos
    seus modos de transmissão. Performance insuficiente em Ondas Médias e
    inexistente em OT, e OC. NÃO ATENDE.

    O Rádio no Brasil sofre com a queda contínua de investimentos,
    de audiência, de produção industrial e de políticas públicas coerentes.
    O decreto 8139, que trata da migração de AM para FM direciona o setor
    para o passado e para a falência.

    Todo o setor de radiodifusão, necessita urgentemente, de que o
    modelo de referência do Sistema Brasileiro de Rádio Digital (SBRD) seja
    definido o mais breve possível pelo governo, principalmente no sentido
    de dar opções sólidas e tecnicamente viáveis, para as emissoras em Ondas
    Médias, Ondas Tropicais e Ondas Curtas, nesse momento difícil da
    economia. Essas ações permitirão que a indústria brasileira possa
    desenvolver e colocar no mercado produtos 100% nacionais e para que a
    sociedade possa desfrutar de um maior conforto e conveniência desse
    conhecido meio de comunicação que é o rádio, mantendo-se em sintonia com
    a convergência digital dos meios, mas sem abandonar a autonomia que
    radiodifusão pelo ar proporciona, já que não utiliza internet ou meios
    cabeados para a sua propagação, tornando-se um meio de baixo custo e de
    contato direto entre o gerador de conteúdo e o ouvinte, sem
    intermediários e sem infraestrutura complexa. Apenas com um rádio de pilhas.

    Curtir

  47. 06/10/2015 às 15:18

    Início

    Buscar
    Login
    Português Português
    English English
    Español Español
    Digital Radio Mondiale – Brasil
    MISSÃO FUNCIONAMENTO ASSOCIE-SE EVENTOS DISCUSSÃO CONTATO FAQ IMPRENSA
    Início » Migração para do AM para o FM, a quem interessa?
    Migração para do AM para o FM, a quem interessa?
    Análise

    A faixa de AM está compreendida entre 540 kHz e 1610 kHz, na faixa de Ondas Medias, e possui características de propagação muito interessantes, permitindo que uma emissora consiga transmitir seu sinal através de regiões com topografia acidentada, pois a emissão tende a acompanhar o perfil do terreno. No período noturno um sinal em OM é refletido pela ionosfera, permitindo que uma emissora possa ter alcance de centenas de quilômetros de raio.

    A faixa de FM está compreendida entre 88 MHz e 108 MHz, na faixa de VHF. Sua principal característica é a direcionalidade, que pode ser bom, ou pode mesmo prejudicar, pois essa faixa de frequência se propaga de forma análoga à luz, sempre em linha reta, sendo bloqueada ou refletida por obstáculos naturais e artificiais, como montanhas, edifícios, grandes construções, etc. Seu comportamento não varia significantemente de dia ou de noite.

    Com o uso do padrão de rádio digital, Digital Radio Mondiale (DRM) é possível a digitalização de todas as bandas do rádio, tornando totalmente desnecessária essa migração.

    No contexto do Decreto 8.139, uma emissora OM que opte por não migrar para o FM, poderia passar a transmitir em digital utilizando o padrão DRM, transmitindo no modo simulcast (simultâneo) AM/DRM, que mantém o AM analógico inalterado, preservando o parque de antenas e a maioria dos equipamentos. O sinal DRM no modo simulcast é posicionado em um único canal adjacente ao sinal AM.

    Muitas emissoras em AM que usam transmissores como Nautel ou BT, por exemplo, já estão prontas para o DRM. Na Índia as emissoras em Ondas Médias já estão transmitindo em simulcast AM/DRM, e receptores compatíveis com DRM já estão sendo feitos nacionalmente. Atualmente são mais de oitocentos milhões de habitantes na Índia cobertos com sinal de emissoras transmitindo na faixa de AM (Ondas médias) em DRM.

    Uma estação de rádio em Ondas Médias (AM) transmitindo em DRM tem seu áudio com qualidade superior ao de uma emissora FM analógica. Além disso, o rádio digital permite a multiprogramação, áudio 5.1, recursos como envio de textos e imagens, conteúdos multimídia, alerta de emergência (EWF) e outros serviços, como aplicações interativas para o GINGA, que é a plataforma de interatividade presente na TV Digital, e também já definida para ser utilizada com o DRM.

    Enquanto alguns países já estão desligando o FM analógico, o Brasil está indo na contramão da evolução tecnológica, propondo a migração de um sistema analógico em Ondas Médias (AM), para um sistema igualmente analógico em VHF (FM) e com mais um agravante: o espectro da FM em VHF nos grandes centros está lotado. Por que não evoluir o sistema de AM, do analógico para digital, a um custo muito menor, preservando uma grande parte dos equipamentos hoje existentes e transmitindo um áudio de excelente qualidade, e ainda com um consumo de energia muito menor?

    Por que não repetir o sucesso do Sistema de TV Digital Brasileira, que já está sendo adotado por vários países?

    Outro ponto muito importante que não podemos omitir é que muitas emissoras em Ondas Médias (AM), têm um caráter local, atendendo muitas comunidades compostas por grupos minoritários. Sua migração para VHF (FM) ou um eventual aumento de potência, para se tornarem regionais, será econômica e tecnicamente inviável para locais de topografia complexa. Portanto, aplicado o decreto vigente em seu formato atual, muitas comunidades ficarão “no escuro”. Assim, propõe-se que as rádios locais em Ondas Médias que desejarem manter sua abrangência, deverão fazê-lo no modelo simulcast AM/DRM.

    No entanto, teria sido muito mais interessante do ponto de vista tecnológico, para as emissoras que realmente desejem migrar para a faixa de FM (VHF), que migrassem já em DRM. Aí sim teríamos uma evolução tecnológica no sistema de rádio brasileiro.

    É urgente a decisão de qual será o modelo de referência do Sistema Brasileiro de Radio Digital para que a agonizante indústria de transmissores e receptores nacionais possa colocar equipamentos digitais no mercado e volte a vender.

    A melhor opção para o sistema brasileiro de rádio digital é o DRM, pois em termos técnicos é o único sistema que atende todas as faixas de frequência, (OM, OT, OC, e VHF) e em termos de modelo de negócio, é o único com código aberto, sem necessidades de licenças para desenvolvimento de transmissores e receptores pela indústria nacional. Também é possível sua implantação pelas rádios comunitárias, pois o DRM funciona em baixa, média e alta potência. A economia de energia elétrica é relevante, sendo possível cobrir a mesma área com menos da metade de consumo de energia.

    O DRM foi desenvolvido por um consórcio de organizações públicas de radiodifusão, empresas privadas ligadas ao setor de transmissão e recepção, universidades, centros de pesquisas, dentre outros órgãos e instituições. O DRM é um padrão totalmente aberto, sendo que todas as normas estão disponíveis na Internet, assim como o ISDB-Tb (utilizado na TV Digital Brasileira).

    Além disso, o codificador de áudio do DRM, é o mesmo da TV Digital, o MPEG4 AAC. O middleware GINGA, plataforma para interatividade que foi a contribuição brasileira ao Sistema Brasileiro de TV Digital, já possui suporte feito pela PUC-Rio para ser utilizado no DRM.
    O outro sistema que está sendo considerado para adoção pelo país é o HD Radio (HD significa Hybrid Digital), desenvolvido e de propriedade da empresa norte-americana Ibiquity. Por ser um sistema proprietário e fechado, todos os seus códigos de funcionamento são segredos industriais conhecidos apenas pelos seus proprietários. Entre suas características conhecidas estão as seguintes:

    * Ocupa o dobro da largura de banda do DRM, sem prover uma taxa de transmissão superior. O HD Radio, sendo um padrão híbrido, concebido para permanecer junto ao sinal analógico, não permitirá um futuro apagão do analógico de forma a permitir a otimização do espectro.

    * Apesar de funcionar em OM e VHF, as emissoras o utilizam o HD Radio em OM nos Estados Unidos estão desligando o sinal digital, por ter uma performance muito ruim. Atualmente, são mais as emissoras abandonando o HD Radio do que aquelas que estão o adotando como padrão.

    * Grande parte do HD Radio é segredo industrial, incluindo o codificador de áudio, conhecido como HDC assim como os protocolos para transmissão de conteúdo multimídia e outros serviços digitais.

    * O HD Radio, diferentemente de qualquer outro padrão da ITU (União Internacional de Telecomunicações), para radiodifusão, cobra licença de uso do sistema. No momento que a emissora entra no ar uma taxa de milhares de dólares é paga, e anualmente as emissoras devem pagam para a Ibiquity uma taxa de uso.

    * O HD Radio possui poucos modos de configuração, sendo um sistema engessado, no qual somente uma empresa controla seu desenvolvimento. Essa empresa é a norte-americana Ibiquity Digital.

    As diretrizes do rádio digital no Brasil são dadas pela Portaria nº 290/2010 do Ministério das Comunicações, que indica claramente que o único padrão passível de adoção no Brasil é o Digital Radio Mondiale, visto que o HD Radio contraria vários parágrafos da portaria.

    O Art. 3º da Portaria 290/2010 de 30 de março de 2010, que norteia a digitalização do rádio no Brasil, diz:

    I- promover a inclusão social, a diversidade cultural do País e a língua pátria por meio do acesso à tecnologia digital, visando à democratização da informação;

    * DRM: Funciona em Ondas Curtas, essencial para as regiões distantes dos grandes centros, como forma de integração nacional. Fácil instalação e sem a necessidade de infraestruturas complexas. Apenas um pedaço de fio e já é possível ouvir uma estação de rádio. Também as rádios comunitárias se beneficiariam com a adoção do DRM, pois esse sistema tem um ótimo desempenho em baixa potência, o que não ocorre com o HD radio. Pode se transmitir até 4 programas muna mesma frequência, opção muito interessante para a otimização do espectro de radiofrequência. ATENDE.

    * HD Radio: Não promove a integração nacional pois não funciona em ondas curtas, ficando restrito aos grandes centros. Não funciona com potências baixas. NÃO ATENDE.

    IV- propiciar a transferência de tecnologia para a indústria brasileira de transmissores e receptores, garantida, onde couber, a isenção de royalties;

    * DRM: Por ser um sistema aberto, com todos os padrões e normas divulgadas publicamente (internet), pode ser utilizado por qualquer um, sem a necessidade de pagamento de licenças. ATENDE.

    * HD Radio: Sistema proprietário com tecnologia fechada. Não haverá acesso à tecnologia e se houver, será restrita e limitada. É uma “Caixa Preta”. Há necessidade de pagamento de licenças para transmissores e receptores, onerando a fabricação dos mesmos Para a emissora que adotá-lo, existe a necessidade de pagamento de taxas para o seu uso, taxas essas que aumentam de acordo com os recursos implementados. NÃO ATENDE.

    V- possibilitar a participação de instituições brasileiras de ensino e pesquisa no ajuste e melhoria do sistema de acordo com a necessidade do País;

    * DRM: Sistema aberto, padronizado por normas internacionais, possibilita seu aprimoramento por pesquisadores e desenvolvedores. Um exemplo é a contribuição brasileira, com a inclusão da interatividade através do GINGA. ATENDE.

    * HD Radio: Não há abertura de sua tecnologia e portanto não acessível aos pesquisadores. Nada poderá ser acrescentado ao sistema. NÃO ATENDE.

    VI- incentivar a indústria regional e local na produção de instrumentos e serviços digitais;

    * DRM: Isenção de taxas de utilização. Menor custo para toda a cadeia, desde transmissores até os receptores e emissoras, barateando toda a cadeia produtiva. ATENDE.

    * HD Radio: Maior custo para pagamento das licenças de uso e manutenção das emissoras. Quanto mais recursos implementados, mais taxas deverão ser pagas. NÃO ATENDE.

    VIII- proporcionar a utilização eficiente do espectro de radiofrequência;

    * DRM: Canal único digital, que ocupa o mesmo espaço de um sinal analógico, podendo transmitir até quatro programas distintos. ATENDE.

    * HD Radio: Utiliza 2 portadoras laterais digitais, além da analógica central, ocupando desta forma o espaço de 3 canais. Dificuldade em equilibrar interferências entre os sinais digital e analógico. Não funciona sem o sinal analógico, ou seja, nunca poderá ser Full Digital. Sempre dependerá da portadora analógica. O “delay” entre o sinal analógico e digital é grande, incomodando o ouvinte. NÃO ATENDE.

    XI- propiciar vários modos de configuração considerando as particularidades de propagação do sinal em cada região brasileira;

    * DRM: Por permitir diversos modos de transmissão, pode funcionar em Ondas Médias, Ondas Tropicais, Ondas Curtas, e VHF, podendo ser configurado, de forma a adequar a transmissão de acordo com a necessidades da área a ser atendida. ATENDE.

    * HD Radio: É um sistema “engessado” não possibilitando mudanças nos seus modos de transmissão. Performance insuficiente em Ondas Médias e inexistente em OT, e OC. NÃO ATENDE.

    O Rádio no Brasil sofre com a queda contínua de investimentos, de audiência, de produção industrial e de políticas públicas coerentes. O decreto 8139, que trata da migração de AM para FM direciona o setor para o passado e para a falência.

    Todo o setor de radiodifusão necessita urgentemente que o modelo de referência do Sistema Brasileiro de Rádio Digital (SBRD) seja definido o mais breve possível pelo governo, principalmente no sentido de dar opções sólidas e tecnicamente viáveis para as emissoras em Ondas Médias, Ondas Tropicais, Ondas Curtas e VHF (FM), nesse momento difícil da economia. Essas ações permitirão que a indústria brasileira possa desenvolver e colocar no mercado produtos 100% nacionais e para que a sociedade possa desfrutar de um maior conforto e conveniência desse importantíssimo meio de comunicação que é o rádio, mantendo-se em sintonia com a convergência digital dos meios, sem abandonar a autonomia que radiodifusão pelo ar proporciona, já que não utiliza internet ou meios cabeados para a sua propagação. Trata-se, portanto, de um meio de baixo custo e de contato direto entre o gerador de conteúdo e o ouvinte, sem intermediários e sem infraestrutura complexa. Eis o rádio, seja ele movido a pilhas, automotivo, ou de mesa.

    Diante do imenso potencial que a digitalização do rádio oferece para difusores, sociedade e governos implementarem em uma nova geração de conteúdos e serviços, esperamos que o Estado brasileiro, assim como na TV Digital, invista em pesquisas e políticas que conduzam o rádio brasileiro para o futuro, e não para o passado e estagnação.

    Uma reflexão atual e interessada sobre o contexto da implementação do rádio digital no mundo e no Brasil, intitulada “O futuro das Rádios no Brasil”, nos foi enviada após a publicação do texto acima por João Rosa Ottoni, da EBC (Empresa Brasil de Comunicação). O texto critica a migração inoportuna do AM para o FM e alerta para questões extremamente importantes de infraestrutura e preparação para o novo sistema de rádio digital.

    Assinam esse texto:
    Adriana Veloso Meireles (Pesquisadora UnB)
    Adriano Belisário (Medialab UFRJ)
    Alexandre Dezem Bertozzi (Prof. Esp. Eng. Eletricista/Eletrônico/Telecomunicações, Fac. Pitagoras-MG, Unifor-MG, Uniararas-SP, Radioamador)
    Aldo Antonio Fachinello (Radiodifusor, com 49 anos de trabalho, diretor da Rede Atlantico Sul de Radiodifusão)
    Angel Luis Gonçalves Rodriguez, (produtor e oficineiro audiovisual, Ocupação Cultural Mercado Sul Vive-DF, e Rede Mocambos)
    Anteneto Dos Santos Silva (Técnico, Programador Musical, Brasília-DF)
    Antonio Avelino da Silva (Jornalista, Dexista, Radioamador e amante das ondas do rádio)
    Ariovaldo José Dias Lobrito (Técnico em radiodifusão)
    Artur Herchcovitch (Radioamador, PY2KJ)
    Ataliba Zandomenego Filho (Radioamador e Graduando Eng. Elétrica-Telemática)
    Carlos Raimundo Louro Mourato (Técnico especializado em sistemas de RF e antenas. Comunicações e radiodifusão, Deutsche Welle)
    Carlos Roberto Schaefer (Radioamador, Técnico em sistemas analógicos e digitais)
    Cláudio Del Bianco (Radioamador, Tecnólogo e Analista de Sistemas)
    Cleber Couto (Radioamador e Graduando em Engenharia Elétrica)
    Daniel Alves da Cruz (Prof. Esp., Eng. Computação, SENAC-GO)
    Daniel de Andrade Antoniazzi (Engenheiro Eletricista, Valeo Sistemas Automotivos)
    Doriedson Alves de Almeida (Prof. Dr, CFI – UFOPA)
    Fabianne Batista Balvedi (Prof.a Msc., Arquiteta e Cientista Audiovisual, PUCPR / UDESC)
    Francisco Antunes Caminati (Prof. Dr., Sociólogo, UNESP)
    Guilherme Gitahy de Figueiredo (Prof. Dr., Universidade do Estado do Amazonas)
    Henrique Parra (Prof.Dr. Universidade Federal de Sao Paulo)
    Hudson Flávio Meneses Lacerda (Dr., Escola de Música da Universidade do Estado de Minas Gerais – Esmu/UEMG)
    João Eduardo Ferreira da Silva Filho (Economista, Diretor MTA / Digicast Eletrônica)
    João Marcos Bertoldi Neto (Engenheiro Eletricista, Diretor BT – Broadcast Transmitters)
    João Rosa Ottoni (Empresa Brasil de Comunicação)
    Jorge Gustavo Guimaraes Duarte (Diretor Geral da CASA DO RÁDIO E TV, São Gonçalo, RJ)
    Julíbio David Ardigo (Prof. Dr., Eng. Eletricista, Universidade do Estado de Santa Catarina)
    Larissa Carreira (Msc. Comunicóloga e pesquisadora, NAEA/UFPA e Produtora Colaborativa do Pará)
    Lucas Titon Andrade (Comunicador Social – Curitiba, PR)
    Lucio Haeser (Jornalista)
    Marcelo Akira Inuzuka (Prof. Msc., Assistente do Instituto de Informática da UFG)
    Marcelo Goedert (Msc., Jornalista, Diretor Audio Fidelity Produções)
    Marcelo Parada (Prof. Msc., Eng. Eletricista, FEI)
    Marcelo Saldanha (Instituto Bem Estar Brasil)
    Maria Angelica Lemos (COMULHER comunicação mulher, jornalista midialivrista)
    Mário Adonis Silva (Professor de História da Educação do ICED/UFOPA)
    Nelson Oscar Lieppert (Eletrotécnico e Radioamador)
    Nils Brock (Prof. Dr., Jornalista e cientista político, Freie Universität Berlin)
    Paulino Kenji Sato (Eng. Eletricista e Ouvinte)
    Paulo Henrique Lima (Prof. Curso de Jornalismo IESPES / Projeto Saúde & Alegria)
    Paulo José O. M. Lara (Msc., Sociólogo e Cientista Político, UNICAMP / Goldsmiths College – London)
    Paulo Tavares (Prof. Dr., Arquiteto, Goldsmiths, University of London)
    Plataforma DRM-Brasil
    Rafael Diniz (Msc., Lab. Telemídia / PUC-Rio)
    Ricardo da Silva Montijo (Engeheiro Eletricista, Belo Horizonte-MG)
    Roberto Santos de Araujo (Técnico Radiodifusão Belo Horizonte MG)
    Sérgio Luiz de Sousa Fonseca (Graduando em História-Universidade do Estado do Amazonas – UEA)
    Thiago Novaes (Msc., Cientista Político, UNICAMP)
    Valdenis Silva dos Santos (Radioamador, radiodifusor comunitário)

    Para assinar esse texto, colocar os dados em:
    http://piratepad.net/LZB0mcyjZ8

    Anexo Tamanho
    O futuro das rádios no Brasil.pdf 54.27 KB
    Logue-se ou se registre para poder enviar comentários
    Share on twitterShare on facebookShare on emailShare on linkedinMore Sharing ServicesCompartilhe
    SIGA-NOS
    Facebook
    Twitter
    Este site (RSS)
    BOLETIM
    Inscreva-se para receber o Boletim do DRM Brasil:

    Email:
    Inscrever
    Arquivo | Mais informações.

    NORMAS
    Conheça as normas do DRM e outros documentos importantes sobre rádio digital

    REFERÊNCIAS
    Site oficial do Consórcio DRM

    Equipamentos para transmissão de DRM30 e DRM+

    Onde comprar receptores DRM

    Argumentos pela adoção do padrão DRM para o Rádio Digital no Brasil

    DOCUMENTOS
    Planejamento produtivo e de negócios para o Brasil

    Plano de implementação para a introdução do DRM no Brasil

    Carta Aberta de Lançamento da Plataforma DRM-BR (english | español)

    O que é Rádio Digital

    PORTARIA que Institui o Sistema Brasileiro de Rádio Digital – SBRD

    Migração para do AM para o FM, a quem interessa?

    DRMb: Uma proposta de padrão para o Sistema Brasileiro de Rádio Digital

    O Sistema Brasileiro de Rádio Digital, os diferentes padrões existentes e a definição de um novo perfil do Ginga pensado para ser o middleware do SBRD

    O sistema Digital Radio Mondiale no contexto de escolha da norma técnica para o Sistema Brasileiro de Rádio Digital por Rafael Diniz, SET 2011

    O sistema de rádio digital DRM (Digital Radio Mondiale), por Takashi Tome

    DRM Tests Brazil – December 2011 by Jérôme Hirigoyen of TDF, HFCC – January 2012

    Relatórios dos testes com medições feitos no Brasil pelo Ministério das Comunicações

    Missão Funcionamento Associe-se Eventos Discussão Contato FAQ Imprensa
    Copyright © 2015 Digital Radio Mondiale – Brasil. Caso não haja menção em contrário, é livre a reprodução do conteúdo produzido pelo DRM Brasil desde que citadas a autoria e a fonte e esta nota seja incluída.

    Curtir

  48. isaias silva ribeiro
    31/01/2016 às 16:51

    onde esta trabalhando o locutor hugo botelho

    Curtir

  49. Antonio Edson.
    22/02/2016 às 18:42

    Olá amigos radioamantes. Depois de 15 anos narrando futebol na Transamerica-sp ao lado de Eder Luiz e Osvaldo Maciel, estou dando sopa na praça. Se alguma rádio necessitar de um free. Estou a disposição. Contato: Facebook Antonio Edson Tonicão. Abs.

    Curtir

  50. 29/03/2016 às 12:04

    Dando sopa 2 .

    Olá Amantes do Rádio!

    Cleuton Bueno / Locutor de Rádio – Mestre de Cerimônias desde 1998 em Minas Gerais. Busco nova oportunidade . Disponibilidade e facilidade para viajar.

    Atenciosamente

    Cleuton Bueno

    Curtir

  51. antonio carlos correa de mello
    16/05/2016 às 15:37

    ola intelectuais formadores de opinião,gostaria de ouvir comentários de vcs sobre a lista de furnas já que terão de mudar de assunto uma vez que Dona Dilma se encontra de férias.abraço

    Curtir

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: