Archive

Posts Tagged ‘Antena 1’

Rádio Antena 1 prospecta afiliadas pelo Brasil

Uma boa notícia chega para rádios de todo o Brasil. A Antena 1 (www.antena1.com.br) busca emissoras nas capitais e principais cidades do país que desejem afiliar-se à empresa. O associado adota o nome da rádio e ganha direito a transmitir sua programação.

Ao se tornar um representante da emissora naquela área de atuação, a afiliada tem total autonomia para comercializar anúncios locais e ganha com publicidade veiculada e vendida. “Ambas as partes se beneficiam com a parceria, a afiliada pelo conteúdo de qualidade e a credibilidade da marca, e a sede pelo aumento do alcance no país”, comenta Paulo Roberto Pereira, gerente administrativo da Antena 1.

Basta possuir qualidade sonora e um bom alcance para se tornar uma afiliada da Antena 1. Segundo Pereira, não há grandes exigências de equipamentos: “Só são necessários dois computadores, software de automação comercial e uma parabólica”. A associada também deve pagar, mensalmente, uma taxa de R$ 900 para cobrir os gastos com a recepção via satélite. As estações de rádio recebem, durante todo o processo de afiliação, suporte e assistência da sede.

“Aumentar o raio de alcance sempre foi nosso objetivo. Queremos levar programação de qualidade para o Brasil inteiro”, conta o gerente. Hoje, entre emissoras próprias e afiliadas, a Antena 1 já está presente em 20 cidades brasileiras. Quem tiver interesse em virar uma afiliada da rádio deve entrar em contato pelo e-mail afiliacao@antena1.com.br.

Antena1

Categorias:Notícias Tags:,

Para sócio-diretor da Antena 1, rádios offline são futuro do streaming de música‏

13/07/2015 2 comentários

Nem Spotify, nem iTunes Radio. O futuro do streaming de música está com as rádios tradicionais. Quem comenta as vantagens da modalidade é Maurício Negrão, sócio-diretor da Antena 1 (www.antena1.com), uma das primeiras a investir na transmissão via web. Com voz de locutor, ele fala, em entrevista, sobre o potencial das rádios na internet:

Quando vocês começaram a perceber que o streaming estava ganhando espaço?
Maurício Negrão: Há 15 anos. Nós fomos os primeiros a investir no streaming no Brasil. Hoje a audiência online da rádio corresponde a 40% do total e vem crescendo. No último mês, por exemplo, o aumento foi de 18%.

O público do streaming é o mesmo que das rádios offline?
MN: Sim e não. Temos ouvintes que sintonizam nas duas formas, mas buscamos novos mercados para o online. Por exemplo, habitantes de cidades mais afastadas do interior de São Paulo, regiões nas quais, em geral, os serviços de streaming a pagamento têm pouca adesão. Nesses municípios, chegamos para competir com as rádios locais.

O que as web rádios têm que falta nos serviços de streaming e vice-versa?
MN: Principalmente a qualidade e o calor humano. A programação das rádios é única e feita por uma equipe especializada, que se dedica 24 horas para isso. A figura do locutor permite a interação com o público e humaniza a transmissão. Há, ainda, o fator do custo zero de assinatura. Nos serviços de streaming há versões gratuitas, mas a sessão do usuário é interrompida a todo instante por propagandas. No caso da Antena 1, são 56 minutos de música direto, com o mínimo de publicidade. Dessa forma, as propagandas não se sobrepõem às músicas.

Qual sua opinião sobre a possibilidade de personalização que os serviços de streaming oferecem, permitindo, por exemplo, que os usuários criem suas próprias playlists?
MN: A personalização tem seus limites. As pessoas buscam sugestões do que ouvir e não querem perder tempo criando suas próprias playlists. Fora que essas playlists podem se tornar repetitivas e desatualizadas em pouco tempo. Já o conteúdo das rádios está sempre se renovando. Toda a programação é estudada por profissionais diariamente e isso nenhum algoritmo supera.

A Apple está desenvolvendo um novo serviço, o Apple Beats, e um DJ da BBC 1 foi chamado para trabalhar a semelhança com rádios tradicionais, pensando na oferta regional. O que você pensa sobre isso?
MN: Acho que é mais uma tentativa de emplacar o streaming, não um real modelo de negócio. Os desenvolvedores talvez tenham enxergado o grande negócio que são as rádios tradicionais, por isso chamaram o DJ da BBC. As novidades em termos de escutar música vêm e vão, mas o rádio fica, seja online ou offline.

Qual o futuro da Antena 1?
MN: Continuaremos a produzir conteúdo de qualidade e a propor novas opções de ouvir música, investindo tanto no online quanto no offline. Hoje, uma das principais exigências do público é a qualidade do áudio. Por isso, planejamos oferecer um complemento em high quality para os ouvintes, em breve.

Comentário: Entrevista encaminhada pela assessoria de imprensa da emissora. E você, caro leitor, o que acha das declarações de Negrão. Deixe seu comentário neste post (Rodney Brocanelli)

antena1

Fim da Antena 1 do Rio completa um ano

31/05/2010 1 comentário

Por Rodney Brocanelli

Há um ano, um medley dançante dos Beatles marcou o fim das transmissões da Antena 1, no Rio de Janeiro. A emissora levou a pior numa estratégia para colocar a programação da Tupi AM no FM. A dança das cadeiras…quer dizer, das frequências ficou assim: Nativa FM ocupando o lugar da Antena 1, nos 107,3Mhz. E a Tupi entrou no lugar que era da Nativa, em 96,5Mhz. Quase um ano depois, o Sistema Globo de Rádio reagiu e colocou a popular Rádio Globo nos 89,3Mhz.

Os orfãos da Antena 1 estão reunidos numa comunidade do Orkut. Volta e meia, aparecem mensagens saudosas de sua estação de Rádio preferida e reclamando pelo fato de não exisitirem boas opções no segmento adulto.

No player abaixo, é possível recordar  seus momentos finais.

%d blogueiros gostam disto: