Jair Bolsonaro prestigia estreia de José Luiz Datena na Rádio Bandeirantes

O presidente Jair Bolsonaro foi entrevistado com exclusividade por José Luiz Datena no programa “90 Minutos”, da Rádio Bandeirantes, na manhã desta segunda-feira (16). A entrevista completa pode ser assistida no canal da emissora no YouTube.

Entre os assuntos, Bolsonaro afirmou que não incentivou as manifestações pró-governo que aconteceram em diversas cidade do país ontem. “Não convoquei o movimento e tenho obrigação moral de saudar o povo”, afirmou o presidente. 

Apesar das orientações do Ministério da Saúde para que as pessoas evitem grandes aglomerações, Bolsonaro esteve nos atos desse domingo (15) a favor do governo, cumprimentou e tirou fotos com os presentes.

“Não vou viver preso dentro do Alvorada. Se eu resolvi apertar a mão do povo, é um direito meu, eu vim do povo. Tenho obrigação de saudar o povo”, discursou.

Bolsonaro testou negativo para o coronavírus, mas afirmou que vai realizar um novo exame nesta terça-feira (17). “Estou absolutamente normal. Tenho feito até caminhadas”, declarou o presidente, que ainda declarou: “Se me contaminei, a responsabilidade é minha”.

 “Tenho que dar o exemplo em todos os momentos. Dei a mão porque eu estou com o povo, isso é democracia. O povo foi pacificamente, sem minha convocação”, continuou o presidente. “Não tenho o poder de impedir as pessoas. Elas estavam fazendo um movimento pelo Brasil. Não convoquei ninguém em momento nenhum [para a manifestação]”, disse Bolsonaro, que acusou os críticos de não se cuidarem contra o vírus, participando de grandes aglomerações.

“Dia 9 de março teve um evento na OCA, com autoridades presentes. Qual exemplo essas pessoas estavam dando? O que está em jogo é uma disputa política. Estou sozinho em um canto. Estão batendo o tempo todo”, argumentou.

O presidente também disse que pretende falar com os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, respectivamente. “Estou disposto a conversar com Maia e Alcolumbre, porque a solução tem que sair de nós”, declarou.

Jair Bolsonaro José Luiz Datena

Decreto presidencial libera rádios do Rio Grande do Sul da Voz do Brasil durante super quarta de futebol

Por Rodney Brocanelli

As rádios que transmitem futebol em Porto Alegre não precisaram fazer malabarismos usando frequências e outras emissoras para transmitir a super quarta de futebol que reuniu os times locais na semifinal da Copa do Brasil, envolvendo Grêmio e Internacional. Um decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro dispensou a transmissão obrigatória da Voz do Brasil em todas as emissoras do Rio Grande do Sul. Não foi necessária nem mesmo a veiculação do programa oficial em horário alternativo.

O texto do decreto publicado em edição extraordinária do Diário Oficial diz: “Durante as partidas da Copa do Brasil 2019, disputadas no dia 4 de setembro de 2019, as emissoras de radiodifusão sonora em funcionamento no Estado do Rio Grande do Sul ficam dispensadas da obrigatoriedade de retransmitir o programa oficial de informações dos Poderes da República, nos termos do disposto na alínea “e” docaputdo art. 38 da Lei nº 4.117, de 27 de agosto de 1962 – Código Brasileiro de Telecomunicações”.

Durante a jornada esportiva da Rádio Guaíba, Nando Gross, gerente geral da emissora, fez um agradecimento público pela liberação. “Há mais de 20 anos isso não acontecer (ter) uma liberação total. Não é apresentar em outro horário. Hoje o Rio Grande do Sul foi liberado da Voz do Brasil pra poder transmitir esse momento que é histórico. Houve sensibilidade com o rádio e com aqueles que amam ouvir futebol pelo rádio”. Ouça abaixo.

decreto

 

Rádios da EBC farão ampla cobertura da posse presidencial

As Rádios EBC  vão fazer uma cobertura especial da posse presidencial. Em rede, as Rádios Nacional de Brasília AM, Nacional de Brasília FM, Nacional do Rio de Janeiro AM, Nacional da Amazônia e Nacional do Alto Solimões trarão os principais acontecimentos e notícias durante todo o dia.

Logo cedo, às 8h da manhã, os âncoras Valter Lima e Estevão Damásio (Brasília) comandam a programação, ao lado de Miguelzinho Martins (Amazônia), Anchieta Filho (São Paulo), Cézar Faccioli (Rio de Janeiro) e Otto Farias (Alto Solimões), com as principais informações sobre a posse dos governadores nos estados e com a expectativa para a posse presidencial. Além disso, serão entrevistados especialistas da área de economia, política e direito internacional. Eles trarão um panorama geral sobre a próxima gestão.

Na parte da tarde, a partir das 14h, ancoram o programa especial ao lado de Valter Lima e Estevão Damásio (Brasília), os apresentadores Anchieta Filho (São Paulo), Gláucia Araújo (Rio de Janeiro), e Otto Farias (Alto Solimões). Juntos eles acompanham a posse presidencial, com a repercussão no Brasil e no mundo.

Toda a equipe de jornalismo da Rádio Nacional atuará desde cedo na cobertura da posse e dos governadores, em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e na região da Amazônia. À tarde, os repórteres acompanharão a posse presidencial e a movimentação do público do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto, da Praça dos Três Poderes, do Itamaraty e da rodoviária do Plano Piloto de Brasília.

EBC

Rádios BandNews FM e Bandeirantes fazem cobertura especial da posse de Jair Bolsonaro e dos governadores

No dia 1º de janeiro, as rádios BandNews FM e Bandeirantesvão unir forças em uma cobertura especial da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro e dos governadores. Desde as primeiras horas do dia, a reportagem estará presente nas principais capitais do país e com o olhar ainda mais atento para Brasília.

As duas rádios estarão em cadeia, entre 14h e 19h20 , para trazer os discursos das autoridades, a movimentação popular, a repercussão internacional e a análise de âncoras e comentaristas. Entre os profissionais estão nomes como Ricardo Boechat, Reinaldo Azevedo, Eduardo Oinegue, Fernando Schuler, Monica Bergamo, Dora Kramer, Fabio Pannunzio, Claudio Humberto, Rafael Colombo, Rodrigo Orengo, Sheila Magalhães e Thays Freitas.

 Em São Paulo, a BandNews FM e a Bandeirantes estarão na Assembleia Legislativa e no Palácio dos Bandeirantes para acompanhar a posse do governador João Doria e dos deputados estaduais. 

Milton Neves entrevista Jair Bolsonaro no Domingo Esportivo Bandeirantes

Jair Bolsonaro afirma que o risco de corrupção diminui com a presença de militares no governo. O presidente eleito foi entrevistado com exclusividade, hoje, na Rádio Bandeirantes. Ele tinha acabado de chegar em São Paulo e seguia do Aeroporto de Congonhas para o estádio do Palmeiras.

Bolsonaro foi convidado pela diretoria do clube para assistir ao jogo de entrega de taça de campeão brasileiro contra o Vitória. Falando ao programa “Domingo Esportivo Bandeirantes”, apresentado por Milton Neves, ressaltou que as escolhas dele para o ministério provam que acabou o ‘toma lá, dá cá’ com os partidos.

Ouça a entrevista clicando aqui.

Logo_RB_Cor

Chegada de Mario Celso Petraglia ao ministério do Esporte poderá ser um risco ao rádio esportivo

Por Rodney Brocanelli

Mario Celso Petraglia, atual homem forte do Atlético-PR, deverá fazer parte do governo de Jair Bolsonaro. Segundo a jornalista Tabata Viapiana, da CBN, o dirigente foi sondado para ser ministro do Esporte (veja aqui). Petraglia teria recusado o convite, mas desejaria fazer parte do próximo governo, ocupando uma secretaria. Eis algumas de suas intenções:  atuar firme no âmbito da Confederação Brasileira de Futebol e promover alterações na Lei Pelé. É aqui que mora o perigo, especialmente no que diz respeito ao rádio esportivo.

Petraglia é conhecido por desejar que as emissoras de rádio paguem pelos direitos de transmissões das competições de futebol brasileiro. Em 2008, às vésperas do campeonato brasileiro,  o Atlético-PR surgiu com a ideia de cobrar para que seus jogos fossem irradiados pelo rádio.  Na ocasião, foi oferecido um pacote para a transmissão dos 38 jogos que a equipe faria até o final no ano no valor de R$ 486 mil (veja aqui). O valor individual para cada partida foi fixado em R$ 15 mil. Na ocasião, Mario Celso Petraglia era presidente do conselho deliberativo do clube (veja aqui). Após a reação das emissoras de rádios e da associação que representa os seus interesses, a ideia não prosperou.

Apesar do fracasso da iniciativa de 2008,  assim que Petraglia assumiu novamente a presidência do Atlético-PR, em 2013,  ele impôs restrições ao trabalho da imprensa local, fazendo com que jogadores, dirigentes e membros das comissões técnicas que estiveram no clube desde então falassem apenas ao veículo oficial do clube (veja aqui). Em entrevistas à grandes veículos de imprensa, caso dos canais ESPN (veja aqui) e diário Lance (veja aqui), o cartola falou sobre sua iniciativa.

Em 2011, a lei 12.395, que promoveu alterações na Lei Pelé, tinha em seu texto original a obrigatoriedade da cobrança de direitos das emissoras de rádio de espetáculos esportivos. Na época, com a atuação do senador Álvaro Dias, então no PSDB, essa proposta foi suprimida (veja aqui).

Uma vez dentro do governo Bolsonaro e com poderes para mexer na Lei Pelé e conhecendo seu histórico, tudo indica que Mario Celso Petraglia poderá trabalhar bastante para colocar a sua ideia em prática.

Se por um lado, essa cobrança poderá representar uma fase de profissionalização na relação entre clubes e emissoras, por outro ela poderá ser danosa à classe dos cronistas esportivos. Em 2008, o valor cobrado pelo Atlético-PR foi de quase meio milhão de reais, valor considerado fora da realidade. O preço a possivelmente ser cobrado no futuro não deverá ser simbólico. Grandes emissoras (e bota grandes nisso) até poderão pagar o que lhes for cobrado, mas e as de médio e pequeno porte, especialmente as do interior do país?

Com isso, o panorama poderá ser sombrio: emissoras abandonado as transmissões esportivas e mais profissionais desempregados.

Claro que tudo ainda está na base da hipótese. Petraglia precisa aceitar o convite e será necessário também ter ideia de qual será seu poder de atuação. No entanto, devido ao seu histórico, nunca é demais fazer esse alerta.

procuresaber

 

 

 

Em gol do Grêmio, Pedro Ernesto usa bordão consagrado por apoiadores do presidente eleito Jair Bolsonaro

Por Rodney Brocanelli

Pedro Ernesto Denardin,  da Rádio Gaúcha, acaba de agregar mais uma polêmica ao seu extenso currículo como narrador esportivo. Assim que saiu o primeiro gol do Grêmio, marcado por Leonardo Gomes, na partida contra o River Plate, válida pela semifinal da Libertadores, ele disse: “amigos, amigos, é bom já ir se acostumando que o Grêmio vai para a final da Copa Libertadores da América; é bom já ir se acostumando que o Grêmio é sério candidato pra ser tetracampeão da América”.  No entanto, o bordão ” é melhor já ir se acostumando”, devido à fonética do “já ir”,  foi fortemente utilizada durante a recente campanha eleitoral pelos apoiadores do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Pela sua manifestação, é possível entender que Pedro Ernesto foi um dos 57 milhões de eleitores que optou de forma democrática por Jair Bolsonaro.

Apesar de uma possível polêmica que o uso do bordão possa causar, o gol narrado por Pedro Ernesto não foi suficiente para o Grêmio avançar à grande final da Libertadores. O River Plate conseguiu a virada. O placar final de 2 a 1, graças aos gols qualificados, foi suficiente para o time argentino avançar na competição.

Ouça abaixo.

pedroernesto2

Radioamantes no Ar fala dos casos Juremir Machado e Amanda Ramalho

Nesta semana, o Radioamantes no Ar abordou os casos Juremir Machado e Amanda Ramalho. O primeiro deixou de participar do programa Bom Dia, da Rádio Guaíba, por não concordar em não fazer perguntas ao candidato Jair Bolsonaro, que foi entrevistado apenas pelo apresentador Rogério Mendelski. A segunda, por sua vez, pediu demissão da equipe do programa Pânico, da Rádio Jovem Pan, logo após uma tumultuada entrevista com o cantor Biel. O Radioamantes no Ar vai ar todas as sextas, sempre a partir das 09h, pela web rádio Showtime (http://showtimeradio.com.br). Com Rodney Brocanelli, João Alckmin e Rogério Alcântara.

showtime2

No Esfera Pública, Juremir Machado fala sobre sua saída do programa Bom Dia

Por Rodney Brocanelli

Na abertura do programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba, Juremir Machado fez uma breve explicação sobre o incidente ocorrido na manhã de hoje durante o Bom Dia (saiba mais clicando aqui). O jornalista disse não pediu demissão da emissora e que gosta muito de trabalhar na Guaíba e no jornal Correio do Povo. “Por uma circunstância de programa, pedi no ar para sair do programa Bom Dia. Não envolve nenhuma briga com pessoas, com meu colega Rogério Mendelski. Envolve um desacordo, uma situação em que me senti desconfortável”, disse.

Juremir prosseguiu: “não teve nenhuma censura da empresa, nenhuma pressão da empresa sobre mim, absolutamente nada. Não achei adequado que o candidato Bolsonaro não quisesse falar para todas as pessoas que estavam no estúdio, na medida em que era um horário em que eu participava diariamente.

No final, o jornalista fez elogios à emissora: “Continuo aqui com muito prazer. Gosto muito da Rádio Guaíba, como uma rádio pluralista, aberta, democrática e que continua me dando guarida”. Ouça abaixo.


 

juremir guaiba

Juremir Machado deixa bancada do programa Bom Dia, da Rádio Guaíba

Por Rodney Brocanelli

O jornalista Juremir Machado anunciou no ar e ao vivo sua saída do programa Bom Dia, da Rádio Guaíba, na manhã desta terça-feira. O motivo foi uma entrevista do presidenciável Jair Bolsonaro ao programa. Apenas o apresentador Rogério Mendelski pode fazer perguntas ao presidenciável. Os outros participantes do programa além de Juremir, Jurandir Soares e Voltaire Porto, não puderam se manifestar. Ao final da entrevista. Juremir questionou; “nós podemos dizer que o candidato nos censurou?” Ao ouvir a resposta afirmativa do apresentador, o jornalista resolveu deixar o programa. “Eu achei humilhante e, por isso, estou saindo do programa”, disse. Após o clima constrangedor pairar pelo estúdio da emissora, o “Bom Dia” seguiu até seu final. Veja abaixo.

Bom Dia

Bolsonaro diz à Rádio Bandeirantes que segundo turno contra Haddad será disputa do “bem contra o mal”

Jair Bolsonaro afirma que o segundo turno contra Fernando Haddad será uma disputa do “bem contra o mal”. O candidato do PSL falou hoje à Rádio Bandeirantes – foi a primeira entrevista exclusiva depois do primeiro turno. Segundo ele, uma eventual vitória do PT representaria o fim da Lava Jato e a liberdade do ex-presidente Lula. A entrevista completa pode ser ouvida no site da emissora.

Embora se coloque como o lado “do bem” no segundo turno, se for eleito, Bolsonaro promete fazer um governo de união. Para o candidato do PSL à Presidência da República, quando estava no Planalto, o PT adotou políticas que dividiram o país.

Na entrevista à Rádio Bandeirantes, Jair Bolsonaro disse ainda que não terá um contato tão próximo com os eleitores no segundo turno. Ele explicou que as duas cirurgias a que foi submetido depois da facada em Juiz de Fora ainda limitam a exposição física.

Com relação aos debates, o candidato afirmou que pretende participar, mas espera a liberação dos médicos. Com mais de 49 milhões de votos no primeiro turno, Bolsonaro diz já ter ao lado dele 51 deputados federais eleitos ontem.

Se ganhar o segundo turno, Bolsonaro espera contar com esse apoio para aprovar mudanças como a redução da maioridade penal.

 Jair Bolsonaro admite ter pedido uma postura mais cuidadosa a Paulo Guedes e ao general Hamilton Mourão. O assessor econômico e o candidato a vice foram orientados a evitar declarações que possam prejudicar a campanha.

Eleito presidente, Jair Bolsonaro disse que vai trabalhar pela recuperação da credibilidade do Brasil no cenário externo.

Outra medida que o candidato do PSL anunciou na entrevista à Rádio Bandeirantes foi a redução drástica do número de ministérios.

O presidenciável foi entrevistado pelos jornalistas José Paulo de Andrade, Salomão Esper, Rafael Colombo, Pedro Campos e Eduardo Oinegue na edição desta segunda-feira do “Jornal Gente”.

Logo_RB_Cor

Marco Antonio Villa e Jair Bolsonaro debatem ao vivo no Jornal da Manhã

Na terça-feira, 23 de maio, o Jornal da Manhã produção de maior tradição do rádio brasileiro receberá o deputado e pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, que desafiado pelo jornalista e historiador, Marco Antonio Villa debaterá ideias e opiniões sobre política e economia.

Após responder a uma reportagem da Folha de S. Paulo, Jair foi duramente criticado por leitores e pelo jornalista da Jovem Pan, que o desafiou a comparecer aos estúdios da emissora, para discutir a atual situação político-econômica do País.

“Eu desafio o senhor a discutir política externa, quero ver se o senhor tem preparo para ser presidente. Eu desafio o senhor. O senhor é uma enganação. É um embusteiro. Não sabe nada do que é o Brasil e não conhece nada sobre o país”, disparou Marco Antonio Villa.

O deputado aceitou o desafio proposto pelo jornalista e nesta terça-feira (23), participará ao vivo do Jornal da Manhã, a partir das 9h.

Apresentado por Joseval Peixoto, Thiago Uberreich, Marco Antonio Villa e Vera Magalhães, o Jornal da Manhã vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 5h às 10h e aos sábados, das 6h às 10h nas redes Jovem Pan AM, FM e streaming.

LOGO JP_vermelhoNOVO